Linha Redmi Note 12 pode bater recorde com recarga de até 210 W

Por Victor Carvalho | Editado por Wallace Moté | 29 de Setembro de 2022 às 13h28

clique para compartilhar

Link copiado!

Tudo sobre Xiaomi
ver mais

Três supostos modelos da linha Redmi Note 12 foram identificados no órgão de certificação chinês 3C exibindo detalhes de potência de carregamento. E pelo visto a Xiaomi quer levar a tecnologia ao extremo em seus próximos smartphones intermediários, oferecendo suporte para recarga de até 210 W (watts) no modelo mais poderoso do trio, marca quase 9x superior ao que alguns rivais entregam — o Galaxy A53, por exemplo, recarrega a 25 W, enquanto o Moto G82 chega a 30 W.

De acordo com o site MySmartPrice, os três dispositivos certificados podem ser o Redmi Note 12 (de modelo 22101316C), Redmi Note 12 Pro (22101316UCP) e o Redmi Note 12 Pro Plus (22101316UC).

A lista exibida pelo 3C revela que o Note 12 Pro Plus terá suporte para um impressionante carregamento rápido de 210 W, enquanto o Note 12 Pro deve apostar em 120 W e o Note 12 comum oferecer a mais popular potência de 67 W utilizada em vários smartphones atuais da Xiaomi.

Bateria que recarrega em apenas 8 minutos

No início de 2021 a Xiaomi apresentou sua solução proprietária de carregamento de 200 W, permitindo completar uma bateria de 4.000 mAh em míseros 8 minutos. Mas o lançamento da tecnologia foi adiado por degradar muito rapidamente a bateria do aparelho.

Com a chegada do iQOO 10 com bateria que recarrega em 12 minutos graças ao carregamento de 200 W, a tecnologia parece ter atingido um nível maior de segurança este ano com novidades de software e hardware capazes de evitar grande degradação com o passar dos anos.

Sendo assim, a Xiaomi agora teria confiança suficiente para apostar na tecnologia e implementá-la como destaque de seu mais poderoso smartphone intermediário neste fim de ano.

A nova linha Redmi Note 12 tem lançamento esperado para as próximas semanas e vendas iniciais para o mercado chinês, sendo levado posteriormente à Índia e então ao mercado global.

Os novos aparelhos devem oferecer processadores MediaTek em todos os modelos vendidos na China, e graças à má fama da empresa em reciclar seus produtos de forma confusa em diferentes regiões, esperamos mudanças em nomenclatura e especificações para os modelos globais e indianos.

Fonte: MySmartPrice