Mulher-Hulk │ O que é o Inteligência, o grupo de vilões geniais da Marvel

Mulher-Hulk │ O que é o Inteligência, o grupo de vilões geniais da Marvel

Por Durval Ramos | Editado por Jones Oliveira | 22 de Setembro de 2022 às 16h12
Marvel Comics

O sexto episódio de Mulher-Hulk: Defensora de Heróis não trouxe o Demolidor que todos esperavam, mas começou a introduzir aquele que vai ser o grande vilão da série. Ainda não sabemos quem é, mas uma pista foi deixada no meio do caminho: o Inteligência.

Na trama, o grupo aparece apenas como um site onde trolls e haters da personagem se escondem e que começam a se organizar para realizar ataques contra Jennifer Walters (Tatiana Maslany) — planejando, inclusive, matar a advogada. Trata-se de uma sátira do Universo Cinematográfico da Marvel (MCU, na sigla em inglês) ao 4chan e outros fóruns anônimos do tipo.

As coisas não estão fáceis para nossa Jen (Imagem: Reprodução/Marvel Studios)

Só que, para os leitores de quadrinhos, a citação ao Inteligência traz uma camada a mais. Mais do que um site, esse é um nome que existe nas HQs como uma grande corporação de vilões ligadas ao universo do Hulk e que pode indicar quem está tão interessado em acabar com a nossa heroína verde.

Clubinho do mal

Nos gibis, os heróis não são os únicos a se organizarem em super-equipes. Embora a gente sempre se lembre de times como os Vingadores, X-Men e os Defensores, a verdade é que volta e meia os vilões também unem forças em prol de um grande plano, seja dominar o mundo ou apenas dar porrada no Homem-Aranha.

E o Inteligência é uma dessas equipes. O grupo surgiu há não muito tempo nos quadrinhos, sendo formado em 2009 nas páginas de Fall of the Hulks: Alpha #1 — publicada aqui no Brasil em Universo Marvel #8. Trata-se de um arco que não ficou tão famoso assim chamado Queda dos Hulks e que colocava todos os personagens ligados a Bruce Banner tendo que lidar com esse time de gênios do mal.

Grupo surge com um apanhado de vilões da terceira divisão (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

Pois é exatamente essa a ideia por trás do time de vilões. Reunindo bandidos como Líder, Mago, Cabeça de Ovo, Pensador Vermelho e Fantasma Vermelho, o grupo se propunha a reunir os maiores intelectos criminosos da Marvel em busca de conhecimento que lhe dessem mais poder e riqueza.

Tanto que o primeiro grande plano deles é justamente ir atrás de documentos perdidos da antiga Biblioteca de Alexandria. E é a partir dessas primeiras operações que eles ampliam o rol de membros, passando a contar também com figuras como Doutor Destino, Camaleão e MODOK, a bizarra cabeça voadora que vai aparecer em Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania.

Ligações com o Hulk (e o restante da família)

Embora não tenham conseguido reunir esse conhecimento ancestral — muito por causa de uma traição do próprio Destino —, o Inteligência seguiu operando nos bastidores da Marvel por um tempo e mirando sua atenção para um inimigo em comum: o Hulk.

Grupo tem histórico de oposição ao Hulk (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

O grupo criminoso entendeu que anos lidando com o Gigante Esmeralda tinha feito com eles tivessem uma noção maior do potencial existente nos poderes originários dos raios gama. Assim, eles decidem que querem estudar melhor as habilidades do Hulk para poderem recriar o efeito. Mais do que isso, a ideia era controlar a tecnologia de criação e desenvolver novos Hulks controláveis.

Em um retcon para a saga Hulk Contra o Mundo, eles já começam a pôr o plano em andamento e fazem experimentos misturando os raios gama com raios cósmicos, o que parecia ser o caminho para reproduzir a transformação de Bruce Banner de forma muito mais controlada. E, de certo modo, eles conseguiram.

É a partir de todo esse plano maligno que o Inteligência convence o general Thaddeus Ross a participar de um experimento para encarar Banner quando ele voltasse do espaço. Assim, o militar aceita se transformar em cobaia e é exposto a essa mistura de raios, virando o Hulk Vermelho.

Isso aqui é o mais puro suco de gibi (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

A ideia de um Hulk de outra cor não é lá muito original, mas funcionou bem dentro do que a Marvel procurava. Assim, ela conseguiu colocar um dos antagonistas mais icônicos do herói em pé de igualdade em nível de poder e com um diferencial: Ross tinha total controle sobre sua transformação, o que o tornava um perigo ainda maior.

Essa mesma tecnologia que deu ao general os poderes do Hulk Vermelho voltaram a ser utilizada pelo Inteligência algum tempo depois justamente na fase Queda dos Hulks. Nesse arco, o grupo passou a sequestrar pessoas ligadas ao herói, como Betty Ross e Rick Jones, e submetê-los a essa mistura de raios para transformá-los em monstros de combate. É quando surgem, por exemplo, a Mulher-Hulk Vermelha e o Bomba-A.

Tem horas que a Marvel fica realmente além de qualquer defesa (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

Depois dessa participação nas histórias do Gigante Esmeralda, o grupo de vilões chegou a ser desfeito e remontado tempos depois com outra formação, ainda com MODOK e Líder. Contudo, as participações em histórias se tornaram bem menores a ponto de quase ninguém mais lembrar que eles atuam em conjunto — pelo menos até agora.

Inteligência no MCU

Em Mulher-Hulk: Defensora de Heróis, ainda não vimos o Inteligência atuar de forma concreta. Por enquanto, há apenas uma citação ao grupo como se ele fosse apenas esse fórum onde trolls, incels e outras pessoas tóxicas se escondem para atacar Jen. Contudo, nos segundos finais do episódio 5 de Mulher-Hulk, é revelado que há bem mais por trás disso tudo e que eles contam com tecnologia avançada e até um braço científico que está de olho no sangue da heroína.

Essa é uma trama que deve ser explorada nessa reta final da temporada, mas o suspense plantado pela Marvel nos faz teorizar o que está a caminho. Até porque, como visto, há várias conexões que os quadrinhos sugerem entre a equipe nas HQs e o misterioso vilão da série.

Marvel já confirmou retorno do Líder em Capitão América 4, então não seria estranho vê-lo aparecer já aqui (Imagem: Reprodução/Marvel Comics)

A gente sabe que há alguém tentando pegar o sangue de Jen desde o terceiro episódio, quando a Gangue da Demolição ataca a protagonista, sem sucesso. Não foi revelado quem era o chefe, mas agora está bem mais claro que é alguém com recursos e intelecto para isso.

Mais do que isso, é indicado que esse líder oculto é um fã de Bruce Banner, já que ele se identifica online como HulkRei — Hulkking no original —, o que também é uma brincadeira com a ideia de que esses vilões anônimos de internet tem uma preferência pela versão masculina do herói. E todas essas peças já dão uma boa noção do que está por vir.

Caso o MCU decida apresentar o Inteligência como um grupo organizado de verdade ou coisa parecida, o tal vilão pode muito bem ser o próprio Líder, que já havia sido apresentado em O Incrível Hulk e que foi confirmado em Capitão América: Nova Ordem Mundial — inclusive, com o retorno do ator Tim Blake Nelson.

A relação de Jen com seu primo pode ter atraído a atenção desse vilão (Imagem: Divulgação/Marvel Comics)

É uma aposta que faz sentido: ele ganhou poderes por causa dos raios gama, tem uma conexão com o Hulk, foi confirmado no cinema e está presente na formação original dos quadrinhos. Isso sem contar que o nome Inteligência também faz alusão ao principal poder do vilão: seu intelecto ampliado graças ao crescimento desproporcional de seu cérebro causado pelo contato com o sangue de Banner.

É claro que a Marvel pode seguir por um caminho totalmente oposto e só usar um nome já existente nas HQs para fazer algo novo e sem tanto significado, como aconteceu com os ClãDestinos em Ms. Marvel. Porém, considerando tudo o que foi mostrado até aqui, tudo indica a uma corporação do mal.

Crítica ao público

Enquanto a resposta para esse mistério não vem, Mulher-Hulk: Defensora de Heróis faz muito bem aquele que vem sendo o principal charme da série: ironizar as críticas de parte do público e transformar isso em elemento da sua própria história.

Marvel já fez várias piadas com os hates da série (Imagem: Reprodução/Marvel Studios)

O comportamento tóxico de parte dos fãs da Marvel com o seriado começou muito antes da estreia do programa no Disney+ e a roteirista Jessica Gao vem fazendo um ótimo trabalho ao incorporar essas críticas e ataques como parte da trama.

Já tínhamos visto isso em comentários de vídeos questionando o porquê de existir uma Mulher-Hulk e agora vemos como fóruns ao estilo 4chan se transformam em espaço para organizar e coordenar ataques a pessoas e até mesmo a produções.

É uma crítica não tão sutil assim, mas que funciona muito bem dentro de toda a mensagem que Defensora de Heróis apresenta ao longo de toda a temporada. Essa proposta de mostrar o que as mulheres têm que passar era algo que já havia chamado nossa atenção desde o primeiro contato com a série e que, com os capítulos mais recentes, só mostram o quanto fazer graça e ironizar esse pessoal é a melhor arma para combatê-los.

Mulher-Hulk: Defensora de Heróis está disponível no Disney+.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.