Dia do Cliente: 7 dicas para não ser enganado na hora das compras

Dia do Cliente: 7 dicas para não ser enganado na hora das compras

Por Claudio Yuge | 15 de Setembro de 2022 às 12h20
Pixabay/geralt

Toda data com grande apelo comercial traz muitas ofertas que realmente possam valer a pena para os consumidores. Mas, com a alta das vendas online, muitos criminosos também aproveitam a distração ou abusam da boa-fé dos usuários para tentar roubar dados, dinheiro, e até invadir seus dispositivos para causar mais prejuízos. Com o Dia do Cliente celebrado no Brasil nesta quinta-feira (15), os bandidos vão tentar várias de suas táticas para cometer crimes.

Vale destacar que, embora o Dia do Cliente seja celebrado nesta quinta, o comércio deve estender alguns descontos e promoções até a segunda-feira. Segundo a empresa de cibersegurança PSafe, o Brasil registra mais de mil tentativas de fraudes financeiras digitais por hora. De janeiro a junho, foram mais de 5 milhões de tentativas, contra 2,5 milhões no mesmo período de 2021, o que significa uma alta de 97%. Só em julho, foram 1,3 milhão de investidas dos cibercriminosos.

“Basta um clique em um link suspeito para ter seus dados comprometidos. Por isso, o ideal é que empresas e pessoas comuns reforcem a segurança digital, já que a tendência é que os ataques continuem em alta e muito mais corriqueiros. 97% dos crimes virtuais constituem da ajuda dos consumidores”, diz o perito em crimes digitais e CEO da Enetsec, Wanderson Castilho, que também alerta para a constante evolução das táticas empregadas pelos cibercriminosos.

Então, para evitar que você seja enganado, aí vão algumas dicas.

Dica para evitar golpes e fraudes no Dia do Cliente

As dicas abaixo são fáceis de serem executadas e, basicamente, apenas exigem que você tenha bastante cuidado ao executar as compras, e sempre manter a atenção durante as transações — a distração é a maior arma dos bandidos.

  • Não clique em links: não siga qualquer link que tenha sido enviado para você antes de avaliar bem se ele é confiável. Evite os que são compartilhados por amigos em redes sociais e e-mails, e principalmente, descarte os desconhecidos. Podem ser armadilhas, capazes de instalar malwares nos dispositivos ou direcionar para páginas que coletam dados;
  • Atenção para anúncios no Facebook, no WhatsApp e no Instagram: alguns golpistas têm se aproveitado de vazamentos de contas ou de roubos de perfis para usar o Facebook ou o Instagram de algum conhecido, anunciando produtos que não serão entregues após os depósitos via PIX. Muitos criminosos disseminam esses anúncios via WhatsApp, então, é sempre bom ficar de olho nessas ofertas que parecem boas demais para serem verdade;
  • Cuidado com o phishing: o phishing vem por meio de links e mensagens de e-mail duvidosos; vem por meio de SMS e até por ligações telefônicas. Normalmente, os bandidos tentam se aproveitar da distração dos usuários para roubar dados de autenticação ou de cartões de crédito. Então, não envie essas informações antes de checar bem onde você está inserindo o conteúdo;
  • Verifique se a empresa existe e se o site é oficial: uma simples busca no Google, nas redes sociais e em sites como o Reclame Aqui é possível observar a autenticidade de uma empresa. Também é possível observar com cuidado o domínio do site, para checar possíveis erros de português, fotos genéricas e de baixa qualidade e outros detalhes que os cibercriminosos às vezes deixam passar — e que são a “bandeira vermelha” para você correr dali;
  • Confira os dados de pagamento: nunca deposite valores em contas desconhecidas ou que não combinam com a fonte de onde você está fazendo a compra. Confira bem cada dado antes de efetivar a transação e consulte o CNPJ de contas jurídicas. Também vale ficar de olho no extrato, para se assegurar de que o valor descontado foi o mesmo que o anunciado;
  • Desconfie de promoções urgentes e “incríveis”: na maioria das vezes, os cibercriminosos apelam para a emoção dos consumidores, tentando seduzi-los com uma sensação de urgência e escassez que pode levar os mais afoitos e empolgados a aceitar prontamente uma oferta sem nem mesmo analisá-la. Não tenha medo de perder um desconto ou produto, e sim de ter prejuízos maiores — então, muita calma nessa hora, desconfie bastante se “faltar apenas duas unidades em estoque” ou se “o preço aumentar daqui a cinco minutos”.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.