Poluição do ar aumenta internações da covid, mesmo entre vacinados

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 03 de Outubro de 2022 às 10h39

clique para compartilhar

Link copiado!

Cientistas norte-americanos descobriram que a poluição do ar pode ser um fator de risco para internações da covid-19 e que afeta até indivíduos vacinados com duas doses, mesmo que em menor grau. Para chegar a esta conclusão, analisaram prontuários de mais de 50 mil pacientes contaminados pelo coronavírus SARS-CoV- na Califórnia e os indicadores da qualidade do nível do ar.

Publicado na revista científica American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, o estudo sobre o impacto da poluição do ar em caso de internações da covid foi liderado por pesquisadores da Keck School of Medicine, que é parte da University of Southern California (USC).

“Essas descobertas são importantes porque mostram que, embora as vacinas contra covid sejam bem-sucedidas na redução do risco de hospitalização, pessoas vacinadas e expostas ao ar poluído ainda correm maior risco de resultados piores do que as pessoas vacinadas não expostas à poluição do ar”, afirma Anny Xiang, que é uma das autoras do estudo, em comunicado.

Vale lembrar que, além da covid, a poluição do ar contribuí para o aumento de outros problemas de saúde, como doenças do coração e pulmonares. Recentemente, um estudo da Agência Europeia do Ambiente (AEA) revelou que a exposição à poluição é a causa de 10% dos casos de câncer na Europa.

Vacina é importante para diminuir o risco de internação da covid

Na primeira parte do estudo, o grupo de pesquisadores analisou prontuários médicos de 50.010 pacientes diagnosticados com a covid-19 e que tinham mais de 12 anos. Nesta análise, independentemente da exposição à poluição do ar, as vacinas foram responsáveis por reduzir, de forma muito significativa, as internações pelo coronavírus.

“Pessoas totalmente vacinadas tiveram risco quase 90% reduzido de hospitalização por covid, e mesmo pessoas parcialmente vacinadas tiveram cerca de 50% menos risco”, comenta Zhanghua Chen, professor assistente da universidade e um dos autores do estudo.

Como a poluição piora a covid?

Na segunda etapa do estudo, os cientistas calcularam os níveis estimados de exposição à poluição do ar para cada participante, com base nos endereços residenciais. Os índices foram calculados para os períodos de um mês e um ano antes de cada paciente ser infectado pelo vírus da covid.

Especificamente, foram calculados os níveis médios dos seguintes poluentes:

  • Partículas finas (PM2,5);
  • Dióxido de nitrogênio (NO2);
  • Ozônio (O3).

Segundo os autores do estudo, mesmo entre as pessoas que foram vacinadas (com duas doses), a exposição aos poluentes PM3,5 e NO2 a curto ou longo prazo aumentou o risco de hospitalização em até 30%. “Entre as pessoas vacinadas, o efeito prejudicial da exposição à poluição do ar é um pouco menor, em comparação com as pessoas que não foram vacinadas”, explica Chen. “Mas essa diferença não é estatisticamente significativa”, completa.

Sobre a pesquisa, é importante destacar que os dados foram coletados entre os meses de julho e agosto de 2021, quando a variante Delta (B.1.671.2) era predominante nos EUA e a circulação do agente infeccioso era mais intensa. Para entender os riscos precisos da variante Ômicron e duas sua sublinhagens, como a BA.5, estudos complementares são necessários.

Fonte: American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine e USC