Paxlovid: remédio da Pfizer é eficaz contra a Ômicron, aponta estudo

Paxlovid: remédio da Pfizer é eficaz contra a Ômicron, aponta estudo

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 19 de Janeiro de 2022 às 11h30
Twenty20photos/Envato Elements

A farmacêutica norte-americana Pfizer anunciou, na terça-feira (18), que o antiviral paxlovid é também eficaz no tratamento contra a variante Ômicron (B.1.1.529) do coronavírus SARS-CoV-2. A descoberta da eficácia da pílula de uso oral é importante para combater a nova onda da covid-19 que atinge diferentes países do mundo, como o Brasil.

Em nota, A Pfizer afirma que "esses estudos in vitro sugerem que o Paxlovid tem o potencial de manter as concentrações plasmáticas muitas vezes mais altas do que a quantidade necessária para impedir a replicação do Ômicron nas células", o que impediria o avanço da infecção.

Testes em laboratório apontam para a eficácia do remédio da Pfizer contra a variante Ômicron (Imagem: Reprodução/RW Footage/Envato)

"Os dados sugerem que nossa terapia oral contra a covid-19 pode ser uma ferramenta importante e eficaz em nossa batalha contínua contra esse vírus devastador e as Variantes de Preocupação [VOC], incluindo a Ômicron", explicou Mikael Dolsten, porta-voz da empresa, em comunicado.

Até o momento, os estudos não foram revisados por pares e nem publicados em uma revista científica. Segundo a empresa, as pesquisas já foram submetidas para a publicação.

Remédio da Pfizer contra covid

Vale lembrar que o remédio paxlovid já obteve autorização de uso emergencial nos Estados Unidos em dezembro de 2021. No mesmo mês, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) recomendou o antiviral para o tratamento de adultos com covid-19, quando há risco de desenvolverem formas graves da doença. Na terça-feira (18), a fórmula foi aprovada no Canadá.

A medicação pode ser usada em casa e, segundo os estudos da farmacêutica, reduz o risco de hospitalização ou morte em cerca de 89% dos casos, quando comparado com placebo em doentes de alto risco. O protocolo é que o uso da medicação seja iniciado nos primeiros dias do aparecimento dos sintomas.

Além do antiviral, o tratamento completo combina nirmatrelvir — que bloqueia a replicação do vírus, inibindo a enzima protease — e o ritonavir — cuja função é aumentar a duração do efeito.

Fonte: Pfizer    

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.