Nova vilã do Batman é obscena demais para ser adaptada no cinema

Por Claudio Yuge | 25 de Agosto de 2022 às 22h40

clique para compartilhar

Link copiado!

Os filmes de Zack Snyder que adaptam os heróis da Liga da Justiça têm uma tonalidade que destacam o lado mais sombrio e violento dos personagens e da ambientação da DC Comics. Veja bem, o Batman mata muita gente e o Superman é enterrado logo no início da caracterização do que Universo Estendido DC (ou DCEU, na sigla em inglês). E, mesmo nessa pegada, uma nova vilã boca-suja e grosseira teria pouquíssimas chances de dar as caras no cinema.

A moça apareceu na recente Batman: Killing Time, uma série limitada especial ambientada nos primeiros anos de Bruce Wayne como Homem-Morcego. Na trama, a Mulher-Gato, o Charada e o Pinguim tentam roubar um poderoso artefato mágico que está com Cavaleiro das Trevas. O objeto é tão cobiçado que até mesmo o governo dos Estados Unidos o quer — e, para tentar obtê-lo, enviam uma agente corrupta chamada Nuri Espinoza.

E Nuri tem uma característica peculiar: a cada terceira palavra que a moça diz, sai um palavrão bem obsceno de sua boca. Suas falas são tão indecentes que nem mesmo são escritas normalmente: eles são representados por meio dos chamados “grawlixes”, termo atribuído nos quadrinhos para símbolos aleatórios que indicam baixarias das mais impróprias. Por conta disso, ela até ganhou o apelido de “Agente #%@%”.

E olha que ela fica ainda mais besterenta: depois que fracassa em sua missão após ser derrotada pelo Homem-Morcego e é baleada nas costas pelo Charada, a agente desbocada sofre um dano cerebral que a deixa xingando constantemente, sem conseguir emitir outro tipo de fala. A moça se torna uma vilã, e a única palavra que consegue falar normalmente, sem “grawlixes”, é “Batman” — por conta dos símbolos, suas frases ficam ininteligíveis, ainda mais impróprias, e, claro, cômicas.

Mesmo que ela fosse adaptada em uma pegada adulta e despudorada, como vemos em The Boys, ainda assim seria difícil traduzir o impacto de indecência representado pelos “grawlixes” mostrados nos quadrinhos. E, embora a Agente #%@% possa dar as caras novamente em outras histórias, seus fãs não devem esperá-la no cinema — nem nos projetos mais debochados, como Esquadrão Suicida; e ainda menos nas produções com propostas ensolaradas, a exemplo de Shazam!.