Xiaomi Mi Band 7 ou Huawei Band 7: qual pulseira inteligente comprar?

Por Jucyber | Editado por Léo Müller | 24 de Agosto de 2022 às 17h17

clique para compartilhar

Link copiado!

Mi Band 7
ver mais

A Xiaomi Mi Band 7 é uma pulseira inteligente que se aproveita da popularidade das suas antecessoras para se manter no topo desse mercado de vestíveis. Porém, vamos ver se a chegada da Huawei Band 7 pode fazer o “reinado” da smartband ficar abalado em um comparativo real.

As fitness trackers se destacam pelo formato compacto, mas possuem diferenças que podem ser cruciais na hora da escolha. Por isso, saber detalhes a respeito delas pode te ajudar a definir qual será o seu próximo dispositivo.

Vale lembrar que estamos fazendo o comparativo entre as duas pulseiras em suas versões globais. Logo, o recurso focado nos públicos asiático e europeu — NFC — não estará cotado entre as características que diferenciam as qualidades delas. Está interessado em saber quem ganha essa disputa? Então, confira o comparativo completo.

Design e construção

Visualmente, a Huawei Band 7 lembra bastante um relógio inteligente pelo formato que possui. Ela tem a parte do visor retangular com uma espessura que valida muito bem a visibilidade de informações sem recortes ou ajustes desnecessários.

Assim como temos na Mi Band 7, por exemplo, o formato clássico em pílula é positivo para quem prefere dispositivos compactos, mas acaba se tornando um ponto negativo para visualizar conteúdos em texto, como no caso de mensagens.

Na lateral do aparelho da Huawei, existe um botão para navegar entre os menus com o intuito de complementar os toques na tela. Já o equipamento da Xiaomi é totalmente livre de teclas, por isso todas as informações são ajustadas no display e por gestos.

A parte de traz das smartbands é equivalente por trazerem apenas os sensores específicos para uso dos sensores PPG, SPO2 e leitor de batimentos cardíacos. Além disso, as conexões para recarga via cabo magnético, que possuem tamanhos diferentes, mas um funcionamento semelhante.

Um ponto que é importante deixar claro está relacionado com a nítida diferença entre as pulseiras da Huawei Band 7 e Mi Band 7. O acessório da Xiaomi é um pouco mais frágil para o uso a longo prazo, enquanto o modelo da concorrente traz um aspecto mais próximo ao de um relógio para facilitar a fixação no pulso e elevar a sua durabilidade.

Tela

A tela é outro elemento que demonstra a grande diferença que existe entre as duas pulseiras inteligentes. Apesar de ambas terem painel AMOLED, a Mi Band 7 possui um display em formato de pílula com 1,62 polegadas.

Por mais que seja maior em numeração, o aproveitamento do dispositivo da Xiaomi pode não agradar aos usuários que estão desejosos por visualizar mais informações na tela. Em contrapartida, a Huawei conseguiu fazer o seu produto ser benéfico nesse quesito por ter um formato retangular que favorece a distribuição de informações no visor.

A qualidade da tela dos dois modelos é muito interessante para a visibilidade de informações, bem como leitura de mensagens compactas. Além disso, ambas podem ter os planos de fundo personalizados, mas a Mi Band 7 traz diversas opções de watchfaces gratuitas, já a Huawei Band 7 possui grande parte do seu catálogo de imagens pagas, com valores que podem chegar a R$ 20.

Recursos

A respeito da quantidade de recursos focados em exercícios, as duas pulseiras inteligentes possuem diversas alternativas. A Mi Band 7 traz 120 opções de atividades, e a Huawei Band 7 já permite que 96 práticas esportivas sejam rastreadas.

Mesmo que exista essa diferença em numeração, ambos possuem uma variedade atrativa para esse tipo de uso. Além disso, a sensibilidade do sensor faz com que a precisão seja equivalente no dia a dia.

Entretanto, não podermos deixar de lado o fato de a interface deles estar um pouco mais lenta pelo excesso de recursos, e nem mesmo o upgrade no processador ajudou a fazer os aparelhos performarem melhor.

No ponto de vista de experiência de uso, no entanto, a Mi Band 7 consegue ser mais agradável, já que traz recursos embutidos que não podem ser encontrados na Huawei Band 7, ou que possuem um funcionamento superior.

Como no caso da função de desativar as notificações após um determinado horário. Além de isso evitar transtornos, ajuda a economizar um pouco da bateria que seria consumida ao longo da noite, por exemplo.

Já o modo ‘Sempre na tela’ — Always on display —, faz com que a pulseira da Huawei seja um pouco melhor. A função permite o uso de desenhos lineares do plano de fundo aplicado ao invés de uma imagem focada mais no horário e quase genérica, como é na smartband da Xiaomi.

Essa equivalência em recursos, no entanto, não se mantém nos aplicativos. O Huawei Health — Saúde — apresenta dificuldade para conectar o dispositivo e tem poucas opções úteis de ferramentas para a usabilidade diária.

Já o Zepp Life da Xiaomi possibilita a conexão rápida com a smartband, bem como entrega diversas funcionalidades complementares às ferramentas embutidas na Mi Band 7.

Bateria

Tanto a Mi Band 7 quanto a Huawei Band 7 possuem bateria de 180 mAh. Logo, não é de se surpreender que as duas marcas chinesas prometam o mesmo período de uso antes da recarga, que é de 14 dias.

Pelo fato de eu ter utilizado as duas da mesma maneira, como um usuário normal que mantém o rastreamento ativo continuamente, afirmo que elas empatam em gasto energético. São 9 dias de autonomia.

Entretanto, é preciso analisar que ambas ficam abaixo do tempo estimado prometido pela Xiaomi e Huawei, porque a expectativa está baseada em um público que não mantém os produtos ativos do jeito que devem estar, mas sim como um “relógio digital inteligente”.

Xiaomi Mi Band 7 ou Huawei Band 7: qual smartband vale a pena?

Considerando o produto com mais pontos positivos do que negativos nesse comparativo, a Xiaomi Mi Band 7 é a melhor opção para comprar nesse momento. A pulseira inteligente mantém a estabilidade de suas antecessoras.

Apesar de a tela ter se expandido com um layout que não fez um conjunto visualmente agradável para o produto, nota-se que a visualização de informações está melhor distribuída nessa geração.

Além disso, a quantidade de recursos embutidos que receberam aprimoramentos e a expansão de seu alcance é bem grande Como é o caso das opções de exercícios físicos que já atendem bem a boa parte do público, e os sensores para monitoramento seguem precisos.

A bateria da Mi Band 7 é equivalente à da Huawei Band 7 em autonomia no uso real, mas a facilidade para conectar o produto da Xiaomi com o app Zepp Life ainda é um diferencial importante na usabilidade.

Outro ponto que merece ser citado é o preço. Considerando apenas o valor via importação, a Mi Band 7 ainda é a mais barata, e esse é um fator decisivo para o usuário na hora da compra.

Porém, mesmo com essas vantagens, é preciso destacar que a Huawei também já vende a sua pulseira oficialmente aqui no Brasil, e ela está quase R$ 300 mais barata do que a versão da Xiaomi à venda aqui no país.