Samsung Galaxy S10: ainda uma boa escolha em 2021?

Por Felipe Junqueira | Editado por Léo Müller | 28 de Setembro de 2021 às 14h21

clique para compartilhar

Link copiado!

Galaxy S10
ver mais

A linha Galaxy S10 já está para completar três anos desde o seu lançamento, mas as buscas por temos como "S10 Samsung" seguem altas na internet. Será que vale a pena investir nesses modelos dois anos e meio depois de chegarem às lojas, com duas gerações disponíveis e uma terceira a caminho?

Um celular topo de linha costuma chegar ao mercado a preço alto, e ter uma boa redução nos meses seguintes até atingir um bom valor. Geralmente, vale mais a pena comprar um top de linha com dois anos de mercado do que um intermediário novo, pois o seu desempenho e câmeras normalmente continuam bem superiores. Porém, tudo depende de diversos outros fatores, além do mais importante: o preço continua em um patamar baixo, ou já existem modelos mais recentes a um valor que possa ser mais interessante?

É isso o que o Canaltech vai avaliar nesta matéria. O Samsung Galaxy S10 ainda vale a pena dois anos e meio depois de seu lançamento, ou há alternativas da própria Samsung que podem ser um investimento mais interessante nesse momento? Veja a análise do dispositivo atualizada para entender.

Prós

  • Atualização de sistema prevista para mais um ano;
  • Ótimo conjunto de câmeras;
  • Desempenho muito bom;

Contras

  • Bateria com pouca duração;
  • Preço muito alto.

Confira o melhor preço para o Galaxy S10

Siga o Canaltech Ofertas para comprar produtos com desconto

Galaxy S10: design e construção

O Galaxy S10 — ou "Samsung S10" segundo os internautas no Google —, atualizou o visual da série topo de linha da marca depois de dois anos com ainda mais redução nas bordas da tela e a transferência do leitor de impressão digital da parte traseira para a frente. Mais especificamente, o sensor biométrico fica abaixo do display, com um leitor óptico da Qualcomm, e foi o primeiro smartphone da sul-coreana a oferecer tal característica.

O celular da Samsung traz acabamento em vidro na parte frontal e traseira e alumínio nas laterais, que garante boa durabilidade. O modelo ainda tem certificação IP68 contra água e poeira — apesar de, no caso de você adquirir um modelo usado, essa proteção possivelmente já ter se perdido —, mas pode não ser muito resistente a quedas, sendo altamente recomendável utilizar uma capinha protetora para evitar acidentes.

  • Dimensões (A x L x P): 149,9 x 70,4 x 7,8 mm
  • Peso: 157 g

As câmeras ficam centralizadas na parte traseira, em uma fila horizontal, e podem ser em um conjunto duplo, no caso do Galaxy S10e, ou triplo, nos Galaxy S10 e S10 Plus. Na frente, a tela ocupa boa parte, com bordas muito pequenas, laterais curvas e outra novidade da série: o uso de furo no display para o sensor frontal. Aliás, no modelo maior, são duas câmeras frontais, com um recorte em forma de "pílula", sempre no canto superior direito.

Por conta dessas características, a linha Galaxy S10 da Samsung possui dimensões bastante reduzidas, apesar de os tamanhos das telas poderem assustar em um primeiro momento. O modelo base, por exemplo, tem display de 6,1 polegadas, mas dimensões muito próximas do Galaxy S9, que tem 5,8 polegadas de display.

Galaxy S10: qualidade de tela

Mais de dois anos após o seu lançamento, o Samsung Galaxy S10 ainda tem uma das melhores telas já vistas em um smartphone. Não há muito intermediário que possa competir com o display deste aparelho, que até pode ficar devendo a tendência mais atual da taxa de atualização aumentada, mas atende muito bem em todo o restante dos requisitos.

Em primeiro lugar, você pode optar pela resolução maior com 1440 x 3040 pixels, chamada de 2K — mais especificamente, tamanho 150% maior que o Full HD. Claro que o 1080p ainda é o padrão, e aumentar vai consumir mais recursos, inclusive com uma redução no tempo de uso. Mas, para quem gosta de nitidez impecável, é um prato cheio.

Além disso, o modelo ainda conta com várias tecnologias que ainda estão começando a chegar aos intermediários em 2021, como HDR10+, que otimiza o contraste e o brilho dos conteúdos exibidos. O painel AMOLED Dinâmico é quase tão bom quanto a tela dos sucessores Galaxy S20 e Galaxy S21.

E tudo isso está em um display que, dependendo do modelo, chega a quase 89% de taxa de ocupação frontal. Apenas o Galaxy S10e traz painel plano, ou seja, sem as laterais curvas, e tem proporção menor, de cerca de 83%. Ah sim, o modelo menor não oferece a opção da resolução 2K, ficando limitado ao Full HD.

Galaxy S10: configuração e desempenho

Um celular topo de linha de 2019 ainda tem muita “lenha para queimar” em 2021, em termos de capacidade de processamento e memória. Claro que há uma diferença do Galaxy S10e para o Galaxy S10 e Galaxy S10 Plus, já que o primeiro tem menos RAM que os outros dois, mas mesmo ele ainda tem o suficiente para tarefas medianas atualmente.

Na prática, o celular ainda será capaz de rodar os principais jogos e aplicativos pesados da Play Store por, no mínimo, mais dois anos. Talvez já comece a apresentar alguns engasgos ocasionais nos próximos 12 meses, mas basta uma redução gráfica para garantir a fluidez necessária para a boa diversão ao jogar. Afinal, lembre-se: é mais importante que o jogo seja fluido do que ter gráficos impressionantes, já que você possui outros objetivos além de ficar analisando a quase perfeição das imagens na tela.

Embaixo do capô, a Samsung utilizou a solução própria do Exynos 9820, fabricado em 8 nanômetros e que tem processador de oito núcleos de até 2,7 GHz. Aliado ao chipset, os Galaxy S10 e S10 Plus têm 8 GB de memória RAM e opções de 128 ou 512 GB de armazenamento interno UFS 2.1, com expansão via cartão de memória de até 512 GB. No caso do Galaxy S10e, são 6 GB de RAM e 128 GB de armazenamento, sem opção com mais memória.

Bateria e sistema

A série Galaxy S10 foi a primeira linha de topo da Samsung a trazer um aumento em capacidade de bateria, apesar de não ter sido nada muito grandioso. O Galaxy S10e tem 3.100 mAh, e muitos usuários reclamam que não é o suficiente para um dia inteiro sem precisar de uma tomada. Já o Galaxy S10 traz 3.400 mAh e já consegue passar 24 horas sem precisar de uma recarga, enquanto o Galaxy S10 Plus tem 4.100 mAh e é o mais tranquilo para passar o dia usando sem preocupação.

Mas o que chama mais atenção na linha é que foi a primeira a ter uma atualização de sistema extra confirmada, com promessa de chegar, pelo menos, ao Android 12. Os três modelos já rodam a versão mais recente do sistema operacional do Google desde o começo de 2021, e não devem demorar a receber a próxima. Além disso, ainda devem receber pacotes de segurança até 2023.

Ou seja, em se tratando de atualização e recursos, o Samsung Galaxy S10 ainda tem muito a oferecer comparado com modelos de entrada, principalmente.

Galaxy S10: conjunto fotográfico

A grande força das linhas premium da Samsung está em seus conjuntos de câmeras. O Galaxy S10 ainda traz sensor principal de 12 MP, aliado a uma super grande-angular de 16 MP e, no caso dos dois modelos maiores, uma câmera zoom de 12 MP com aproximação óptica de 2x. Na frente, selfies de 10 MP em todos os modelos, sendo que o Plus ainda tem um sensor de profundidade de 8 MP como extra.

Para quem gosta de tirar fotos, é um prato cheio. Não chega a oferecer tantos recursos como modelos mais recentes, mesmo alguns intermediários, mas ainda é um conjunto poderoso que conta com os refinamentos de software mais finos que a Samsung pode oferecer. Os modelos receberam o modo noturno em uma atualização e conseguem tirar ótimas fotos mesmo em ambientes com iluminação mais fraca, graças a isso.

E também são opções melhores que muito intermediário recente para gravar vídeos. Não apenas porque oferecem gravação em resolução boa (chega a 4K com 60 quadros por segundo mesmo na câmera frontal), mas porque a captação de áudio é excelente. Além disso, o poderoso conjunto de hardware e software garante bom equilíbrio em exposição e cores precisas — apesar de pecar um pouco no excesso de saturação.

Traseira do Galaxy S10+

Canaltech

Galaxy S10: vale a pena em 2021?

Se por um lado é verdade que o Samsung Galaxy S10, — também buscado com o termo ‘S10 Samsung’ por algumas pessoas — ainda é um ótimo celular em 2021, apesar de já apresentar algumas desvantagens corrigidas em gerações posteriores. Porém, só vale a pena investir nestes modelos hoje se você encontrar uma promoção muito boa, ou se arriscar um usado — preferencialmente de algum conhecido que cuida bem do celular.

A média de preço dos três modelos aumentou bastante nos últimos meses, e fica acima, por exemplo, do Galaxy S20 FE, que é uma versão mais acessível dos sucessores da série S10 da Samsung. E certamente vale mais a pena investir no modelo mais recente, que está com preço mais baixo, do que em modelos que, na comparação, já estão levemente defasados.

De acordo com o comparador de preços Zoom, o Galaxy S10e, que custava por volta de R$ 2.000 até o começo de setembro, disparou no fim do mesmo mês para cerca de R$ 2.900. Já o Galaxy S10 subiu de uma média de R$ 2.800 para quase R$ 3.600 durante o nono mês de 2021. Por fim, o Galaxy S10 Plus flutuou nos últimos seis meses na faixa dos R$ 3.200, caiu para R$ 2.000 em agosto, e depois subiu para R$ 3.400, aproximadamente.

O Galaxy S20 FE, alternativa que o Canaltech recomenda para quem pensa em um celular topo de linha de geração anterior, pode ser encontrado facilmente na faixa dos R$ 2.200 já há vários meses, inclusive na versão com o Snapdragon 865, em vez do Exynos 990. E pode ser uma alternativa mais interessante mesmo a um Galaxy S10 usado, já que dificilmente você vai encontrar alguém para cobrar menos de R$ 1.500 — e um celular usado já tem um histórico, precisa estar bem mais em conta que um novo para valer a pena.