Moto G32 vs G42 vs G52: o que muda nos celulares da Motorola

Por Felipe Junqueira | Editado por Léo Müller | 27 de Setembro de 2022 às 17h57

clique para compartilhar

Link copiado!

Moto G32
ver mais

A Motorola tem três celulares bastante parecidos em seu catálogo. Motorola Moto G32, Moto G42 e Moto G52 trazem características iguais de hardware, câmeras e bateria. E se diferenciam por alguns detalhes, especialmente em tela.

Como fazer, então, para escolher qual deles comprar? Será que a experiência muda muito por outros fatores? O Canaltech ajuda quem está em dúvida a comparar os três celulares da Motorola.

Design e Construção

  • Moto G32: 161,8 x 73,8 x 8,5 mm, 184 g;
  • Moto G42: 160,4 x 73,.5 x 8 mm, 175 g;
  • Moto G52: 160,1 x 74,5 x 8 mm, 169 g.

Cada modelo da linha Moto G tem um tamanho de tela, sendo que o Moto G52 é o maior dos três, enquanto o Moto G42 tem menos polegadas. Curiosamente, o Motorola Moto G32 é o que tem dimensões mais avantajadas — apesar de ser uma diferença quase milimétrica.

Isso acontece por conta do tipo de painel. O LCD precisa de mais bordas para funcionar, já que os conectores internos não se dobram como no OLED. Por isso, o Moto G32, apesar de ter 0,1 polegada a menos de display, é 1,7 mm mais alto que o G52.

Visualmente, os três aparelhos são bem parecidos, com bordas pequenas e furo na tela para a câmera frontal. Atrás, cada um tem módulo de câmeras: mais quadrado e com dois furos maiores no Moto G32; e com três furos no G42 e G52, mas cantos retos no primeiro e arredondados no segundo.

Os celulares da Motorola têm leitor de impressão digital integrado ao botão de energia. E possuem acabamento em plástico nas laterais e traseira, e vidro na frente. Todos têm conector P2 para fone de ouvido, e apenas resistência a respingos d’água.

Tela

  • Moto G32: IPS LCD de 6,5 polegadas com resolução Full HD+ (1080 x 2400 pixels), 90 Hz;
  • Moto G42: gOLED de 6,4 polegadas com resolução Full HD+ (1080 x 2400 pixels), 60 Hz;
  • Moto G52: pOLED de 6,6 polegadas com resolução Full HD+ (1080 x 2400 pixels), 90 Hz;

O display é o maior diferencial entre os três modelos, sendo a principal mudança o painel IPS LCD do Moto G32. Não que seja ruim, mas tem características bem específicas que o tornam, em alguns aspectos, um pouco inferior ao OLED.

Os pontos mais importantes estão na exibição da imagem, com cores não tão vivas, contraste menor e brilho máximo bem abaixo. Aliás, o Moto G32, especificamente, é bem ruim de usar na rua. Não o recomendo para fazer Uber e afins.

Com o mesmo tipo de display, Moto G42 e G52 se diferenciam pela taxa de atualização da tela. O primeiro usa os 60 Hz padrão da indústria, enquanto o segundo tem 90 Hz. O Moto G32 repete a frequência maior do Moto G52.

Isso significa que esses dois celulares possuem animações mais fluidas e suaves. No entanto, é bom ter em mente que isso depende da compatibilidade dos aplicativos com a maior quantidade de atualizações por segundo.

Configuração e desempenho

  • Moto G32: Snapdragon 680 4G Octa-core (4x 2,4 GHz Kryo 265 Gold + 4x 1,9 GHz Kryo 265 Silver), Adreno 610;
  • Moto G42: Snapdragon 680 4G Octa-core (4x 2,4 GHz Kryo 265 Gold + 4x 1,9 GHz Kryo 265 Silver), Adreno 610;
  • Moto G52: Snapdragon 680 4G Octa-core (4x 2,4 GHz Kryo 265 Gold + 4x 1,9 GHz Kryo 265 Silver), Adreno 610.

Hardware é o ponto em que os três modelos se cruzam. Todos eles têm o mesmo Snapdragon 680, sem suporte a 5G. É um processador que pode parecer potente por conta do nome, mas não é bem assim.

Aqui no Canaltech, já testamos uma boa quantidade de celulares com o Snapdragon 680, e nenhum agradou pela velocidade. É uma plataforma quase de entrada, que entrega experiência satisfatória apenas para tarefas simples do dia a dia.

Com isto em mente, você não deve ter grandes problemas com esses Moto G. Infelizmente, estes celulares não são intermediários potentes, e não vão entregar um bom desempenho por mais do que dois anos.

Ao menos tanto o Moto G32 quanto o G42 e o G52 têm 4 GB de memória RAM e 128 GB de armazenamento interno. E todos eles têm espaço para cartão micro SD, para expandir o espaço.

Usabilidade

A experiência de uso do software é praticamente a mesma nos três celulares. Todos possuem o Android 12 instalado, com pequenas modificações da Motorola, como a inclusão do app Moto, que traz algumas funções extras, como os gestos de lanterna e câmera.

O que muda é a promessa de atualizações. Enquanto Moto G32 e G42 ficam nos tradicionais dois anos, incluindo uma nova versão do sistema operacional, o Moto G52 pode chegar a três anos. Mas são atualizações bimestrais de segurança, com apenas uma versão do Android.

Câmeras

  • Moto G32: 50 MP (f/1.8, principal) + 8 MP (f/2.2, ultrawide) + 2 MP (f/2.4, macro); 16 MP (f/2.4, frontal);
  • Moto G42: 50 MP (f/1.8, principal) + 8 MP (f/2.2, ultrawide) + 2 MP (f/2.4, macro); 16 MP (f/2.2, frontal);
  • Moto G52: 50 MP (f/1.8, principal) + 8 MP (f/2.2, ultrawide) + 2 MP (f/2.4, macro); 16 MP (f/2.4, frontal).

O conjunto traseiro tem o mesmo trio de câmeras nos três modelos. Nada muda: resolução e abertura são iguais na principal, ultrawide e macro. E, com o mesmo hardware para processar as imagens, é de se esperar que os três tirem fotos semelhantes.

Mas não é bem assim na prática. O Moto G32, por algum motivo, tira fotos ligeiramente abaixo dos outros dois, com faixa dinâmica e textura em níveis inferiores. Nenhum dos três é destaque fotográfico, para ser sincero.

A macro é ainda pior no modelo mais barato, com muito mais granulação em ambientes com luz média. No fim das contas, são celulares para fotos ocasionais, apenas. Ou para algo mais artístico, para quem está mais habituado.

Moto G32: exemplos de fotos

Câmera macro em ambiente externo

Felipe Junqueira/Canaltech

Moto G42: exemplos de fotos

Moto G42 fotos da câmera (principal)

Diego Sousa/Canaltech

Moto G52: exemplos de fotos

Contra-luz com boa iluminação

Felipe Junqueira/Canaltech

Selfies e gravação de vídeos

A câmera frontal é diferente nos três modelos, apesar da mesma resolução de 16 MP. A abertura indica que cada um tem um sensor totalmente diferente. E isso influencia no resultado final, apesar de os três serem apenas razoáveis para as redes sociais.

Na gravação de vídeo, Moto G32, G42 e G52 estão limitados ao Full HD (1080p) em todas as câmeras. Mas apresentam estabilização óptica satisfatória para modelos intermediários de baixo custo.

Bateria

Com bateria de 5.000 mAh, os três aparelhos prometem até dois dias de uso ininterrupto. De fato, todos eles são capazes de entregar tudo isso, e o Moto G32 pode até ultrapassar tal estimativa.

A questão aqui é o tipo de painel, com brilho bem mais baixo. Isso ajuda a economizar energia, tanto que o mais barato do trio teve expectativa de 37,5 horas de reprodução de vídeo online. O Moto G52 chegou a 30 horas, e o G42 ficou em 25 horas.

O importante é que todos eles podem chegar a dois dias longe da tomada, em uso normal. Mas isso depende de força do sinal de rede, brilho da tela e até quantidade de apps instalados e rodando em segundo plano.

Na recarga, Moto G32 e G52 têm carregadores de 30 W, enquanto o G42 tem um de 18 W. Isso significa que o modelo intermediário do trio demora um pouco mais para fazer a recarga completa, mas mesmo assim não é demorado. O tempo é de cerca de 1,5 hora para ir de 0% até 100%.

Moto G32 vs Moto G42 vs Moto G52: qual vale a pena?

Os celulares da Motorola têm mais semelhanças do que diferenças. A principal mudança está na tela, que pode ser mais intensa em contraste, brilho e cores nos modelos (em tese) mais avançados.

Ou seja, se você não faz questão de display com alto contraste, cores vivas e não pretende usar muito o celular na rua, o Moto G32 atende bem às suas necessidades. Senão, fica uma disputa entre Moto G42 e G52.

E aí você pode escolher o que estiver com o melhor preço na hora de fazer a compra. Ou pensar que o Moto G52 tem outro diferencial, que é a tela com maior taxa de atualização. Pode ser um bom ponto de desempate no caso de preços muito parecidos.