Galaxy Z Flip 4 vs Z Flip 3 | A câmera do dobrável evoluiu mesmo?

Por Jucyber | Editado por Léo Müller | 30 de Setembro de 2022 às 11h12

clique para compartilhar

Link copiado!

Galaxy Z Flip 4
ver mais

Com câmeras herdadas das linhas Galaxy S21 e S22, os celulares dobráveis da Samsung entram em uma disputa que gera curiosidade no público. Afinal, Z Flip 3 ou Galaxy Z Flip 4, qual é o melhor para fotografia?

Utilizando os dois smartphones em cenários variados, foi possível fazer uma comparação interessante sobre o comportamento dos aparelhos. Assim, trago para você quais foram as minhas impressões sobre o Flip 3 e Flip 4 e demonstro — de maneira prática — o que eles conseguem entregar.

Quer saber qual dos dois celulares dobráveis compactos da Samsung se saiu melhor?

Como foi feito o teste

As fotos foram tiradas no modo automático para passar a experiência de tirar o celular do bolso, abrir e fazer a captura. Além disso, o posicionamento para as imagens foi, praticamente, o mesmo. Porém, podem acontecer variações por causa do campo de visão das câmeras de cada geração.

Para demonstrar a veracidade do conjunto hardware e software do Z Flip 4 e Z Flip 3, não foram feitos ajustes em aplicativos de edição. Com o intuito de evitar que a Inteligência Artificial não ativasse automaticamente o modo noturno nos celulares, fiz a seleção do recurso manualmente nos dois modelos.

Câmera principal

  • Samsung Galaxy Z Flip 3: 12 MP, f/1.8, 27 mm (wide), pixel de 1,4µm;
  • Galaxy Z Flip 4: 12 MP, f/1.8, 24 mm (wide), pixel de 1,8µm.

Apesar de os dois celulares terem o campo de visão no formato grande-angular, é notório que o Galaxy Z Flip 4 consegue capturar um pouco mais de elementos do ambiente do que o Flip 3. Isso demonstra que a versão mais recente do smartphone dobrável da Samsung recebeu lapidações importantes nesse sentido.

É notório que os dois aparelhos são competentes em ambientes bem iluminados, pois o HDR faz o seu trabalho de maneira competente. Mesmo em dias nublados, os celulares conseguem compensar a ausência do sol com uma nitidez agradável.

Entretanto, essas características geram um pouco de divergência quando olhamos os detalhes das imagens. Isso porque o Z Flip 4 traz um refinamento maior para o produto, e esse comportamento influencia na qualidade geral das fotos com o celular nesse formato fotográfico, que são melhores.

Quando o assunto são as cores, o dobrável mais recente da Samsung me agrada mais por conseguir uma saturação coerente com o visto a olho nu. Por isso, ele é interessante para edições adicionais.

Câmera ultrawide

  • Galaxy Z Flip 3: 12 MP, f/2.2, 123˚, pixel de 1.12µm;
  • Galaxy Z Flip 4: 12 MP, f/2.2, 123˚, pixel de 1.12µm.

Na câmera ultrawide, as configurações são as mesmas, mas os resultados possuem diferenças nítidas. Além do campo de visão apresentado pelo Z Flip 3 ser menor, o HDR não se comportou como o esperado na hora de capturar o céu.

Porém, não há deméritos na parte das cores, já que o smartphone se mostrou bem coerente com as combinações de tons do ambiente. Com isso, a proximidade dele em relação ao Z Flip 4 é notável.

Por outro lado, no conjunto geral, a foto ultra grande-angular do dobrável de 2022 me agradou mais. Isso demonstra que o aparelho é bem competente para esse formato de foto.

Fotos noturnas

As fotos noturnas têm uma reviravolta inesperada. Por mais improvável que pareça, o Galaxy Z Flip 3 tem uma leve vantagem para fotos noturnas. A nitidez alcançada por esse produto é mais agradável nesse modo de captura.

Apesar de ser o modelo mais antigo e ter um processador que é duas gerações abaixo do seu irmão maior — o Snapdragon 888 —, o produto demonstrou que ainda consegue ser uma boa opção de compra com foco nessa funcionalidade.

Entretanto, é preciso destacar que o Flip 4 se saiu muito bem na hora de compensar o “flare” das luzes do poste para evitar que cause algum tipo de efeito inapropriado na imagem.

Câmera frontal

  • Galaxy Z Flip 3: 10 MP, f/2.4, 26 mm (wide), pixel de 1,22µm;
  • Galaxy Z Flip 4: 10 MP, f/2.4, 26 mm (wide), pixel de 1,22µm.

A câmera frontal, felizmente, evoluiu. No Z Flip 4, temos um comportamento de captura parecido com o presente no sensor principal. Todavia, a resolução se manteve igual à do antecessor, mas a vantagem fica para o campo de visão aprimorado.

Sob a luz do sol, esse aparelho conseguiu me agradar mais tanto a favor da luz quanto em posição oposta à da iluminação. O processamento de imagem em cenários que envolvem o céu é ótimo e permite a visibilidade mais realista através da foto.

No entanto, em locais que possuem mais sombra, é perceptível que o Z Flip 3 consegue ter maior realismo nas cores. Por exemplo, o tom de pele nesse modelo fica mais próximo do realismo, pois no Flip 4 é perceptível que as cores ficam mais “frias”, e o rosto azulado.

As selfies noturnas do Galaxy Z Flip 4 demonstram superioridade, pois proporcionam maior nitidez e luminosidade, que são características essenciais para o uso em baixa luz.

Qual celular dobrável tira fotos melhores: Galaxy Z Flip 3 ou Z Flip 4?

É notório que a Samsung conseguiu manter a curva de evolução do celular Z Flip 3 para o Z Flip 4. O aparelho mais recente manteve a configuração de câmeras do seu antecessor, mas os ajustes no tamanho dos sensores permitiram um upgrade atrativo na experiência.

A câmera traseira do Flip 4 tem o melhor processamento de imagem entre os dobráveis e um aprimoramento nítido na nitidez. Outros pontos positivos desse celular flexível mais recente são o campo de visão que permite uma proporção mais agradável das imagens, bem como o HDR ajustado para que selfies sob a luz do sol entregam uma qualidade interessante.

Câmera frontal principal na sombra

Jucyber/Canaltech

Por outro lado, é preciso destacar que o Flip 3 está mais otimizado para entregar cores realistas em selfies capturadas em ambientes internos ou sem a iluminação natural tão forte. Além disso, o preço abaixo de R$ 5 mil pode chamar a atenção de quem busca um dobrável com foco em câmeras, mas a queda recente no preço do Z Flip 4 pode ajudar o usuário a escolher a melhor alternativa em tudo que se propõe.