Review Fitbit Ace 3 | Mi Band gourmet para crianças

Por Felipe Junqueira | Editado por Léo Müller | 08 de Julho de 2022 às 13h40

clique para compartilhar

Link copiado!

Fitbit Ace 3
ver mais

Fitbit Ace 3 é um monitor de atividades físicas para crianças a partir de seis anos. É o que está escrito na caixa do produto, então o público-alvo está bem definido aí.

De certa maneira, é uma espécie de Mi Band para seu filho, filha, enteado ou afins. A ideia é não apenas monitorar as atividades físicas, mas também incentivar a criança a se movimentar. Em outras palavras, evitar o sedentarismo, e com isso ajudar a garantir mais saúde.

Afinal, criança precisa se movimentar e explorar o mundo para conhecer de tudo um pouco. Agora, o que esse produto realmente monitora e como ele funciona? Que controles parentais oferece? Que diferenças tem para uma Mi Band de verdade? É o que vou explicar a seguir.

Para importar produtos dos Estados Unidos que você não encontra por aqui, basta criar uma conta na USCloser. Você faz suas compras nos sites gringos normalmente, e a Uscloser recebe por você lá nos EUA mesmo, em uma espécie de “caixa postal americana” criada exclusivamente para você. Depois, a USCloser encaminha os produtos para sua casa aqui no Brasil. É seguro, prático e rápido. Siga nosso tutorial para se cadastrar e comprar nos EUA economizando muito.

Prós

  • Incentivos à atividade física
  • Controle fica com um adulto responsável
  • Boa qualidade geral

Contras

  • Notificações limitadas demais

Design e Construção

O jeito mais simples de descrever a Fitbit Ace 3 é dizer que parece uma Mi Band. É, resumidamente, uma pulseira de silicone em volta de uma caixa retangular com um visor em cima e diversos sensores embaixo.

Mas isso só ajuda a ter uma ideia do que é o produto. Visualmente, as semelhanças com a pulseira da Xiaomi ficam por aí. Esta smartband da Fitbit foi desenvolvida para crianças e, por isso, tem um desenho especial para garantir maior durabilidade das partes mais frágeis.

A pulseira é consideravelmente grande, pois protege toda a caixa de batidas e arranhões. É mais ou menos como um celular resistente, com partes emborrachadas que ficam em volta de toda a borda do visor.

Há uma abertura para a tela e também nos lados, onde há dois sensores táteis, que precisam ser tocados ao mesmo tempo para acionar a função de botão. A caixa pode ser retirada da pulseira facilmente para limpeza ou até para a troca do bracelete.

O único problema mais sério da Fitbit Ace 3 no quesito design e acabamento é o seu fecho. Ele é feito de um plástico que parece de brinquedo, bastante frágil. Se você ou a criança ficar abrindo e fechando muitas vezes, ele pode se quebrar rápido. Bom tomar cuidado com esta peça.

A smartband é à prova d’água e pode ser utilizada para natação, além de suportar até 50 metros de profundidade em água doce. O bracelete está disponível nas opções azul com fecho verde ou preto com fecho vermelho. E tem a versão especial dos Minions, em amarelo com azul.

Tela

A pulseira inteligente infantil tem um visor monocromático que, novamente, lembra as primeiras Mi Band (claro que estou falando da segunda e terceira geração). A tela é sensível ao toque, e permite interações com gestos e toques para ativar funções e afins.

Porém, não se engane. Não é por ser um produto voltado para crianças que sua qualidade é ruim. O visor tem resposta muito rápida e precisa, como era de se esperar de uma boa pulseira inteligente atual.

A criança pode escolher entre um grande número de clock faces. É, de certa forma, uma espécie de relógio digital gourmet. Todas as funções comuns estão presentes, como timer, cronômetro e alarme, mas a seleção é feita por interação com a tela, e não com botões.

Não há detalhes sobre o tamanho em polegadas do visor. A empresa só diz que é uma tela sensível ao toque com painel PMOLED, e que possui backlight. Não há informação sobre a resolução, até por ser display monocromático, mas alguns itens são grandes e não cabem no espaço de visualização.

Configuração e Desempenho

A Fitbit não compartilha informações técnicas da Ace 3. Mas, considerando que é uma pulseira inteligente infantil que roda suave, dá para imaginar que o processador é até mais poderoso do que o necessário.

Normalmente, produtos infantis têm potência inferior. Até porque é para criança, ela não vai ser tão exigente com o desempenho (afirmação da qual eu discordo). Mas não é o caso aqui, e a Fitbit Ace realiza todas as suas funções de maneira eficiente.

E não são poucos recursos. A Fitbit Ace 3 faz um bom acompanhamento físico da criança, contando passos e incentivando-a a se manter ativa. E possui suporte à loja de apps da empresa, com mais funcionalidades a serem incluídas, se você quiser.

Ao menos o dispositivo não precisa de comunicação constante com o dispositivo pareado. A ideia, inclusive, é você configurar no seu celular para acompanhar o progresso da criança ao longo do dia. E a comunicação acontece quando vocês se encontram, para atualizar os dados.

Usabilidade

A pulseira pode acender ao levantar o pulso, mas também aciona a tela se o usuário pressionar levemente com os dedos nos dois sensores táteis laterais. Esses sensores, aliás, só funcionam se ativados juntos, e são inúteis separadamente.

Além de acender a tela, eles também são uma espécie de voltar. Acionando-os, você retorna à tela anterior de menus e afins. De resto, todas as interações são feitas ou pelo celular do pai ou pela tela do smartband.

E aí entra uma questão curiosa. A Fitbit Ace 3 é uma pulseira infantil, e você até pode criar um usuário para a criança fazer alguns controles e configurações pelo celular. Mas o ideal é que o administrador seja um perfil do adulto responsável, pois há funcionalidades específicas.

Por exemplo, você pode enviar ou programar notificações para incentivar a criança a se movimentar. Ou para chamá-la para a mesa do almoço ou jantar.

Na pulseira, a criança tem acesso a quase todas as informações mais importantes, incluindo seu histórico de atividades do dia.

Acompanhamento Físico

Eu sei que fica repetitivo, mas preciso reforçar sempre que puder: a Fitbit Ace 3 é uma pulseira infantil. Então, não dá para exigir demais do acompanhamento físico a ser feito. Não tem sensor de batimentos cardíacos ou cronômetro para saber quanto tempo de exercício foi feito.

A pulseira conta passos e o tempo em atividade, considerando cada passo e pulo que a criança dá. Ou seja, cada segundo em que ela está em qualquer tipo de movimento entra para a estatística. Isso a incentiva a evitar ficar muito tempo parada, evitando o sedentarismo.

A Fitbit Ace 3 também faz um monitoramento do sono, além de enviar notificações para a criança se preparar para a hora de dormir. E ainda tem um alarme gentil, para acordá-la na hora sem despertar repentinamente. Assim, dá para garantir uma boa noite de sono, com dados se ela realmente descansou o suficiente.

Conectividade

Você pode parear a Fitbit Ace 3 com qualquer iPhone que tenha o iOS 14 ou superior, e a maior parte dos Android com a versão 10 ou superior. Adicionalmente, é possível puxar informações da pulseira em macOS X 12.2 e posterior, além do iPhone 5S e Android 7 ou superior.

Para fazer a sincronização dos dados, é necessário Bluetooth LE e conexão com a internet. E o dispositivo precisa estar a no máximo 10 metros de distância da pulseira.

A conexão inicial é bem simples e rápida, e pode ser necessário criar um perfil infantil no app da Fitbit para isso. Porém, uma atualização posterior aos nossos testes liberou essa obrigatoriedade, e talvez você possa configurar a pulseira até mesmo para uso pessoal.

Ou seja, agora é possível configurar a Fitbit Ace 3 para um adulto, sem precisar de um perfil infantil extra no app. Não imagino muito o motivo para alguém fazer isso, mas aí cada pessoa usa seus dispositivos como achar melhor.

Bateria e Carregamento

A promessa de duração da bateria é de até 8 dias, e, pelo que eu testei, dá para chegar a esse tempo sem grande esforço. O display monocromático ajuda bastante nesse bom tempo de uso, além do fato de não ter notificações a cada e-mail ou mensagem que você recebe.

O tipo de uso da Fitbit Ace 3 é bem simples, e não exige demais de processador. E é um consumo de energia também relativamente baixo. A ideia, como já pontuei várias vezes neste texto, é oferecer um incentivo à criança para evitar o sedentarismo.

Dependendo do uso, talvez a smartband não chegue a oito dias completos longe da tomada, mas dificilmente vai durar menos de cinco dias. Dá para fazer pequenas recargas diárias para garantir que a pulseira nunca desligue.

Falando nisso, o carregamento não é tão veloz. Mas dá para garantir de 0% até 100% em até duas horas. Uma vez que a bateria dura bastante, cerca de 20 minutos na tomada é o bastante para, pelo menos, um dia de uso.

Concorrentes Diretos

Não é difícil encontrar pulseiras inteligentes supostamente para monitorar atividades das crianças no Google. Porém, são raras as que possuem tanta qualidade e oferecem experiência realmente tão boa quanto a Fitbit Ace 3.

A Multilaser possui um KidWatch com conexão 4G e funcionalidades um pouco menos dependentes do celular. É, ao menos em tese, uma opção mais completa, com tela maior e colorida. E custa menos, sendo encontrado por cerca de R$ 700.

Mas o funcionamento não é tão suave, e você precisa de um chip 4G para aproveitar esta conexão. E é uma proposta um pouco diferente, com mais liberdade à criança de se conectar aos amigos e controlar suas próprias atividades.

De resto, são opções muito baratas e que não vão entregar nem um terço do que a Fitbit Ace 3 oferece. Se você só quer ter como contar os passos da criança e oferecer a ela a opção de ver horas, ter um cronômetro e funções de relógio, pode economizar bastante.

Esses produtos são encontrados por até R$ 100 na internet. Não recomendo nenhum em específico, porque são quase uma Mi Band falsificada.

.......

Ivo Meneghel Jr/ Canaltech

Fitbit Ace 3: vale a pena?

A Fitbit Ace 3 é uma smartband infantil gourmet. É uma pulseira inteligente com ótima construção e especificações técnicas até melhores do que o necessário. Mas é um produto um pouco caro para a proposta de monitorar o sono e o quanto uma criança de movimenta durante o dia.

Você poderia gastar menos em uma Mi Band, que até tem mais funções. Mas aí perde alguns controles parentais, e dá à criança algo com muito mais do que ela precisa. E não tem tanta proteção quanto a pulseira da Fitbit, que pode bater e raspar onde for e dificilmente quebra.

Por outro lado, a Mi Band permitiria entrar em contato com a criança por outros meios além do app da Fitbit. O Messenger, do Facebook, tem controles bem interessantes para os menores de idade, limitando conversar apenas com familiares e amigos próximos, por exemplo.

Mas a proposta da Fitbit Ace 3 é bem clara e, apesar da limitação, é um produto muito bom. Se você tem a possibilidade de gastar em torno de R$ 800 e já tem um dispositivo da marca, adicionar um exclusivo para ajudar a manter a criança ativa pode ser uma boa ideia.