Review Samsung The Frame 2022 | Tela anti-reflexo é o destaque

Por Bruno Bertonzin | Editado por Léo Müller | 12 de Setembro de 2022 às 14h14

clique para compartilhar

Link copiado!

The Frame 2022
ver mais

Em junho de 2022, a Samsung atualizou sua linha de Smart TVs e, entre vários lançamentos, trouxe uma nova versão da The Frame. O aparelho chegou com poucas mudanças em relação à geração passada, e o maior destaque é seu painel anti-reflexo, que promete uma visualização mais agradável de qualquer ângulo.

Fora isso, a TV mantém o design que imita uma obra de arte para levar pinturas famosas para sua casa, com a opção de incluir uma moldura em volta da tela para deixar ainda mais parecida com um quadro.

Mas será que as mudanças aplicadas funcionam bem na prática ou o novo display fosco anti-reflexo compromete um pouco da exibição e qualidade das cores? Eu testei a The Frame 2022 e, neste review, levanto os principais aspectos positivos e negativos da Smart TV, para te ajudar a decidir se vale a pena ou não a compra.

Prós

  • Tela anti-reflexo bem eficiente
  • Design ultra fino e minimalista
  • Controle com carregamento USB-C e solar
  • Game hub para jogos por streaming com Xbox Cloud

Contras

  • Poucas artes gratuitas para usar como “quadro”
  • Interface um pouco confusa
  • Sem Dolby Vision

Design e construção

O design da Smart TV Samsung The Frame 2022 chama bastante atenção pelo minimalismo. Ela é ultrafina, seja qual for o ângulo que você esteja olhando. Isso graças ao fato de ela só ter um conector físico em sua estrutura. Falarei melhor disso mais adiante.

Um dos grandes destaques dela é o suporte para trocar sua moldura. Por padrão, ela chega da loja com a borda comum, que é bem discreta e oferece um bom aproveitamento do painel, mas o usuário tem a opção de comprar, à parte, novas molduras customizáveis. Isso permite deixá-la bem mais com a cara de um quadro — que é a sua proposta, inclusive.

Seus “pezinhos”, apesar de não serem parafusados na traseira da TV, aguentam bem o peso do aparelho e garantem segurança ao deixá-lo em cima de um rack por exemplo. Caso prefira, no entanto, o próprio kit já inclui uma estrutura com suporte para fixar a The Frame na parede ou em um painel.

A The Frame 2022 está disponível em versões de 32 a 85 polegadas, e a unidade que testei foi de 55”. Esta possui dimensões de 1.237,9 x 708,8 x 24,9 mm, sem considerar seu suporte para fixação na parede. O peso é de 16,9 kg, mais uma vez, apenas da televisão, sem acessórios.

Conectividade

Como eu disse anteriormente, a The Frame 2022 possui apenas um conector físico em sua própria estrutura. Isso porque as portas USB, HDMI, Ethernet, óptica, entre outras ficam no One Connect — uma espécie de “hub” que serve para conectar dispositivos externos e é ligado à única entrada disponível no televisor.

O One Connect, em si, conta com quatro entradas HDMI, sendo apenas uma 2.1 dedicada para consoles. Além disso, ele tem uma porta para internet cabeada, uma para áudio digital, uma para antena e duas USB 2.0.

A presença deste dispositivo facilitará bastante a sua vida se você pensa em deixar a TV na parede ou em um painel. Isso porque não é preciso ficar “esmagando” o braço atrás da televisão na hora de conectar um novo cabo HDMI ou um dispositivo USB, principalmente se usa suportes fixos.

Além das conexões físicas disponíveis no “hub”, a The Frame conta com Wi-Fi 5 e Bluetooth 5.2

Tela

A tela é o grande destaque da nova geração da The Frame. Isso porque, pela primeira vez, a Samsung utiliza um painel anti-reflexos na linha, além de manter o display QLED — que é a tecnologia de pontos quânticos utilizada na maioria dos dispositivos da marca.

Ela também tem suporte para reprodução em 4K, mas infelizmente nada de Dolby Vision — já que este é um recurso que geralmente não é embarcado nos modelos da Samsung.

Um ponto positivo é que a Samsung promete dez anos de garantia contra burn in, então, quem tem essa preocupação em relação aos modelos de televisores mais recentes da sul-coreana, pode ficar despreocupado.

O aparelho conta com um display fosco que evita reflexos enquanto você assiste a seus filmes e séries. Além disso, esse novo material também permite que as exibições de obras de artes sejam feitas com texturas mais detalhadas, o que aumenta a sensação de realismo.

Normalmente isso resultaria em uma pequena perda da qualidade das cores ou na vivacidade da imagem, mas felizmente não é o que acontece neste caso. A The Frame consegue exibir tudo com bastante intensidade e a exibição é tão vívida quanto outros modelos de TVs mais avançados.

Como efeito de comparação, coloquei ela lado-a-lado com uma TCL QLED com tela “normal” e elas tiveram um desempenho bem parecido. Em alguns casos, a Samsung ainda mostrou uma certa vantagem, com cores bem mais vivas.

De qualquer forma, está alinhado com outros modelos de smart TVs deste segmento: ela não é um modelo premium, mas não chega a ser considerada uma televisão intermediária. A The Frame tem uma ótima qualidade de imagem e um bom equilíbrio de cores no geral.

Sistema operacional e controle remoto

A The Frame conta com o sistema operacional próprio da Samsung, o Tizen. Para quem já está familiarizado com outros modelos da marca, principalmente os mais recentes, não há nada de especial.

No entanto, para quem está comprando sua primeira televisão da Samsung — ou partindo de um modelo mais antigo da marca (de pelo menos dois anos atrás) — a interface pode parecer um pouco confusa no começo. Mas isso é mais questão de adaptação.

Algo que me incomodou um pouco, no entanto, foi a necessidade de entrar em uma conta da Samsung para baixar aplicativos. Não é possível, por exemplo, ligar e começar a usar seus serviços de streaming sem fazer essa conexão. Isso pode ser um pouco chato para pessoas que não são tão ligadas à tecnologia.

Game Hub

Um aspecto positivo da The Frame é que ela chega com o Game Hub — uma interface para jogos por streaming. Com isso, os usuários podem aproveitar títulos disponíveis no Xbox Cloud sem a necessidade de um console ou PC para isso, basta conectar um controle compatível e aproveitar os games na nuvem.

Dentro dessa interface há vários jogos disponíveis para download, mas é importante destacar que você precisa de uma assinatura do serviço da Microsoft para ter acesso à plataforma, é claro.

Obras de arte

A proposta principal da The Frame é “imitar” obras de arte. Para isso, ela tem uma tela anti-reflexos e permite o download de pinturas e fotografias famosas para simular um quadro. Dessa forma, ela cai bem em qualquer ambiente e deixa tudo mais estiloso.

Entretanto, é importante destacar que esse serviço é pago, ou seja, você precisa comprar cada pintura para usá-las como “papel de parede” da TV e simular um quadro. Também há um serviço de assinatura com período de testes grátis para acesso às obras de arte.

Apesar de a maioria dos quadros ser paga, no entanto, há uma pequena coleção disponível de forma nativa e gratuita na interface.

Um destaque desta característica é a opção de usar o “modo arte”, que aplica a obra selecionada na tela sempre que a TV é desligada. Ainda assim, caso prefira, é possível desativar completamente o painel.

Controle remoto

O design e a funcionalidade do controle remoto são outros aspectos bem positivos da The Frame.

O visual já é bem popular entre os acessórios de televisores da marca: ele é minimalista e tem poucos botões, para facilitar o uso de ações mais rotineiras. Além disso, traz atalhos para serviços de streaming populares, como Globoplay, Netflix e Prime Video, além do serviço de TV da empresa, o Samsung TV Plus.

A maior vantagem, no entanto, é que ele oferece mais simplicidade para o carregamento. Em vez de funcionar a pilhas, ele tem uma bateria interna com carga por USB-C ou luz solar e ambiente.

Sistema de som

O sistema de som nativo da The Frame dá bastante conta do recado se você não é tão exigente com volume e qualidade sonora. Com o áudio nativo, você terá um volume máximo consideravelmente alto e nítido — sem distorções ou estridentes, por exemplo.

Há ainda alguns modos de equalização que permitem personalizar a experiência sonora. Mas é claro, se você procura um áudio mais potente e com uma maior qualidade sonora, nada substitui um sistema externo, como uma Soundbar ou um aparelho mais elaborado destinado especificamente para isso.

Concorrentes diretos

Por ter uma proposta bem específica, a The Frame não tem uma concorrente direta no mercado. Isso porque ela é um modelo que tem essa abordagem de “simular” uma obra de arte. Sua tela anti-reflexo também torna ela um pouco mais “exclusiva”, principalmente no mercado brasileiro.

Entretanto, se você busca uma TV com uma “pegada” parecida, a opção mais aproximada é a linha LG EVO G1. Ela é vendida com um suporte que deixa ela fora da parede — ou de um rack — e a transforma em uma exibição, como se estivesse em uma galeria de arte. Inclusive, o prefixo “G”, em seu nome, indica justamente que ela é da linha Gallery.

O preço, no entanto, é muito mais salgado do que a The Frame. Como comparação, a edição de 65 polegadas de 2021 é comercializada por aproximadamente R$ 13.500, enquanto a The Frame de mesmo tamanho tem preço de R$ 8.600 no site oficial da Samsung.

Essa diferença de valores, porém, é justificada pelas tecnologias presentes na LG, que conta com suporte para Dolby Vision, além de ter um painel OLED — que oferece mais definição de imagem. Isso deixa mais evidente que, apesar de “parecidas”, as duas estão em patamares bem diferentes.

The Frame 2022: uma excelente adição para a decoração da sua casa

A Samsung The Frame é uma ótima escolha para quem quer dar um upgrade não só em termos de qualidade de imagem e exibição, mas também decorativo em casa. Ela oferece uma boa definição e a tela anti-reflexo realmente trabalha muito bem e permite assistir TV sem interferências visuais do ambiente.

É claro que sua qualidade de imagem não se compara a uma TV OLED ou modelos mais avançados, mas os benefícios embarcados na The Frame fazem dela uma excelente opção se você não é tão exigente com isso — e não se preocupa em desembolsar um pouco mais do que seria necessário por modelos “convencionais”.

Seu sistema de áudio também é muito aceitável dentro da categoria. Ela não chega a ser extremamente alta, mas oferece um bom nível de volume e definição sonora. Destaco, é claro, que nada substitui um sistema externo e dedicado, mas ela dá bastante conta do recado.