Metaverso — o novo mundo que vai bombar nesta década

Por Cesar Sponchiado | 21 de Setembro de 2021 às 10h00

clique para compartilhar

Link copiado!

O hype do momento é o metaverso. Um recurso que cria um mundo virtual que replica a realidade através de dispositivos digitais, permitindo a interação entre os mundos on e offline. Parece até coisa de filme de ficção científica, mas é uma realidade cada vez mais próxima do nosso dia a dia. Games como Roblox e Fortnite, nos quais os gamers interagem com o mundo inteiro por meio de avatares personalizáveis, são considerados pequenas demonstrações do potencial do metaverso. O Fortnite já realizou até shows de artistas no jogo usando avatares, como do rapper Travis Scott.

Gigantes como o Facebook e Microsoft já declararam que estão trabalhando no desenvolvimento de produtos metaverso utilizando recursos como realidade virtual, realidade aumentada, inteligência artificial, NFT (tokens não-fungíveis) e blockchain. A Microsoft lançou neste ano o Mesh, serviço que viabiliza as reuniões em holograma e que funciona com o HoloLens, óculos de realidade mista. Já o Facebook está testando o Horizon Workrooms, app usado nos fones de ouvido de realidade virtual Oculus Quest 2, que permite que as pessoas entrem em escritórios virtuais como avatares e participem de reuniões em real time - inovações focadas no mundo corporativo pós-pandemia.

O tema está em alta também em outros mercados além das big techs, como o da moda e da publicidade, principalmente após o expressivo crescimento do setor digital no último um ano e meio. Em 2021, a marca Gucci lançou um tênis digital usando realidade aumentada. Batizado de The Virtual 25, a peça, que custava entre US$9 e US$12 no aplicativo da marca, gerou bastante buzz no mercado. O Boticário criou uma loja conceito virtual no jogo Avakin Life, onde os jogadores trocavam pontos por “BotCoins” que se transformavam em recompensas no jogo, e o Yahoo Creative Studios, do Yahoo, desenvolveu uma experiência em realidade estendida para a marca Beefeater, da Pernod Ricard, que permitia ao usuário conhecer, em um anúncio, e de forma interativa, a nova embalagem do gin.


Neste ano, também, a Havaianas leiloou sua primeira coleção em NFT, desenvolvida em parceria com o designer e artista Adhemas Batista. Aliás, o NFT tem sido a principal porta de entrada das marcas no mundo do metaverso. O McDonald's promoveu na França uma campanha que sorteou quatro NFTs aos ganhadores em formato dos ícones da rede de fast-food. Já o Taco Bell replicou seus tacos em forma de NFT e a Pizza Hut criou uma fatia pixelada. A Nike desenvolveu versões digitais de seus calçados físicos e a Louis Vuitton tem usado a tecnologia para rastrear a procedência de seus produtos (combatendo a falsificação dos itens).

Inúmeros exemplos que mostram as diversas oportunidades de interação e, principalmente, negócios que o universo metaverso tende a proporcionar. Com o avanço da Internet das Coisas a partir do 5G, quando tudo que fizermos digitalmente estiver em completa conexão, os avanços tecnológicos e o acesso mais fácil a aparelhos de realidade virtual, essa tecnologia fará cada vez mais parte do nosso dia a dia, da ida ao trabalho ou à escola até a realização de compras e a interação com amigos. Um novo mundo que está cada vez mais próximo de nós.