A Shopee vai deixar o Brasil?

A Shopee vai deixar o Brasil?

Por Kaique Lima | Editado por Claudio Yuge | 09 de Setembro de 2022 às 18h20
Divulgação/Shopee

Depois de apenas nove meses operando na Argentina, a plataforma de comércio eletrônico Shopee resolveu deixar por completo nosso principal vizinho ao sul. Além disso, a empresa também anunciou que vai enxugar suas operações em outros mercados importantes da América Latina, como Chile, Colômbia e México. Com isso tudo, uma pergunta fica no ar: e o Brasil?

Inicialmente, a empresa não tem planos de encerrar suas atividades por aqui. Porém, alguns sinais de alerta podem ser ligados. Hoje, o Brasil é um dos principais mercados da empresa sediada em Singapura. Segundo dados do Goldman Sachs, a companhia, que desembarcou aqui em 2019, já tem uma fatia de 5% do mercado de e-commerce brasileiro.

Shopee na contramão das demais

O cenário macroeconômico é bastante desanimador para o setor no panorama mundial, o que motivou o fechamento das operações da companhia em parte importante da América Latina. Porém, no Brasil, o movimento é contrário, e a Shopee começa a chamar atenção de outros players importantes do mercado do comércio eletrônico.

A estimativa é de que a Sea Limited, conglomerado que é dono da plataforma, invista nada menos do que US$ 1,5 bilhão (cerca de R$ 8 bilhões) até o final de 2022. Com um investimento tão alto para o ano corrente e um crescimento nas vendas, é prudente pensar que a Shopee não deve encerrar suas operações no Brasil no curto ou médio prazo. Porém, muita coisa pode mudar.

MP pode mudar o jogo

Uma Medida Provisória (MP) que está sendo preparada pelo Ministério da Economia e pode ser publicada depois das eleições de outubro pode inibir a ação de plataformas que agregam lojas de terceiros, os chamados marketplaces. A ação visa taxar de forma mais pesada as compras de produtos importados por pessoas físicas.

Na prática, a MP pode diminuir substantivamente a principal vantagem dessas empresas, que é o preço, em geral, mais baixo do que o de outras lojas. Isso pode diminuir substancialmente os ganhos de empresas como a Shopee no Brasil, algo que pode motivar sua saída. Porém, não existe garantia que a MP, encomendada por players nacionais, como Havan e Multilaser, seja sequer publicada.

Segundo a empresa, mais de 85% das vendas na Shopee são de vendedores brasileiros e que a companhia está em conformidade com as leis e regulamentos nacionais. A empresa também garante que exige que vendedores e compradores respeitem as regras locais e suas próprias políticas.

Mudanças de rota

A empresa também reviu algumas de suas estratégias adotadas no Brasil. Em junho deste ano, por exemplo, a companhia decidiu encerrar sua política de frete grátis irrestrito. Coincidentemente ou não, pouco depois da revisão da política, em torno de 50 pessoas foram desligadas da operação que a plataforma possui em São Paulo.

Procurada pelo Canaltech, a Shopee afirmou que "essas mudanças não estão relacionadas às nossas operações no Brasil".

No entanto, mesmo com a diminuição de pessoal na região e com o fechamento na Argentina, a empresa alega que as ações foram motivadas pela adoção de uma estratégia em que outros mercados, considerados mais importantes, serão priorizados. E um desses mercados é o brasileiro. Portanto, a resposta para a pergunta do início é: não, a Shopee não deve sair do Brasil, pelo menos não neste momento.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.