Meta simplifica políticas de privacidade para facilitar a compreensão

Por Munique Shih | Editado por Douglas Ciriaco | 30 de Maio de 2022 às 20h10

clique para compartilhar

Link copiado!

A Meta, empresa proprietária do Facebook e do Instagram, anunciou uma mudança na estrutura da política de privacidade das suas plataformas para facilitar a compreensão do conteúdo pelos usuários. Com a mudança, os usuários encontrarão vídeos, subtítulos e imagens, além de frases mais curtas e mais exemplos em vez de longos blocos de texto.

De acordo com a empresa, a nova política trará maior transparência em relação aos tipos de informação que a Meta coleta e como os dados são usados pelos apps da empresa e compartilhados com os parceiros. As mudanças entrarão em vigor no dia 26 de julho, e os usuáriosreceberão uma notificação. A empresa também disse que um aviso sobre as alterações na política será exibido na parte superior do Feed de Notícias do Facebook.

Segundo a Meta, as atualizações valem apenas para as políticas de privacidade do Facebook, do Instagram e do Messenger. Outros aplicativos de propriedade da empresa, como WhatsApp, Workplace e Messenger Kids, permanecerão com suas próprias regras.

Com as atualizações, o Facebook tenta aparentemente tornar o processo da coleta de dados dos usuários mais transparente. Isso não significa, no entanto, que a plataforma vai aumentar ou reduzir a quantidade de informações coletadas, fundamentais para as receitas da companhia com anúncios direcionados.

“As atualizações que estamos anunciando hoje são inspiradas pelo feedback de especialistas em privacidade, legisladores e usuários dos nossos serviços. Nosso objetivo é atualizar nossa Política de Privacidade com mais frequência à medida que continuamos aprendendo quais áreas podemos melhorar”, disse a Meta.

Novas ferramentas de privacidade

Em conjunto com a nova política de privacidade, a Meta também anunciou novas formas para facilitar o controle sobre quem pode acompanhar uma publicação no Facebook.

As postagens podem ser configuradas de forma que sejam públicas, para amigos ou o próprio usuário. Portanto, caso o usuário defina sua postagem como pública, a próxima postagem será, por padrão, pública, a menos que a configuração seja alterada.

Além disso, a plataforma também permitirá que os membros usem um único controle para definir seus tópicos ou interesses de anúncios no Facebook e no Instagram.

Problemas com privacidade

O Facebook tem enfrentado vários escândalos de privacidade que têm levantado preocupações em relação à forma como a empresa tem agido para garantir a proteção dos dados das pessoas.

Na semana passada, o Procurador Geral de Washington, nos Estados Unidos, Karl Racine, processou o CEO da Meta, Mark Zuckerberg, devido a um escândalo de dados ocorrido em 2018, no qual a empresa de consultoria política Cambridge Analytica coletou dados de aproximadamente 87 milhões de usuários do Facebook sem consentimento. A Meta não se pronunciou sobre o assunto.

A Cambridge Analytica foi contratada para as campanhas de Trump, Ted Cruz e Ben Carson — todos do Partido Republicano -— em 2016. A empresa foi fundada em 2013 pelo ex-coordenador da Renaissance Technologies, Robert Mercer, um dos principais apoiadores de Trump em 2016.

Fonte: CNET