Missão Artemis I: tudo sobre nosso 1º passo no retorno à Lua

Missão Artemis I: tudo sobre nosso 1º passo no retorno à Lua

Por Rafael Rigues | 20 de Agosto de 2022 às 15h00
NASA

Em alguns dias a agência espacial norte-americana lançará a Artemis I, o primeiro passo em seu ambicioso projeto para colocar novamente humanos na superfície da Lua e, eventualmente, estabelecer a primeira base humana permanente em outro corpo celeste.

Embora seja uma missão não-tripulada, sem o glamour de astronautas caminhando em outro mundo, a Artemis I é uma missão fundamental para o programa: nela serão testadas tecnologias essenciais para todas as missões futuras, como o foguete SLS e a espaçonave Orion.

Enquanto o momento da decolagem não chega, preparamos um guia para que você possa entender mais sobre as características e objetivos desta missão tão importante. Aperte os cintos e venha conosco!

O que é o programa Artemis?

O programa Artemis é uma iniciativa da NASA para exploração lunar. Entre seus objetivos de curto prazo estão um pouso tripulado em nosso satélite natural, algo que não acontece desde a missão Apollo 17 em 1972.

Eventualmente, a NASA pretende estabelecer uma base permanente em solo lunar, habitada por uma equipe internacional de astronautas. Essa base poderá servir como estação de pesquisa para extração de recursos lunares e como “trampolim” para missões mais ambiciosas rumo a Marte ou a outros destinos no sistema solar.

Qual o objetivo da missão Artemis I?

A Artemis I é uma missão que testará tecnologias essenciais para todas as missões futuras do programa Artemis, como o foguete SLS e a cápsula Orion, onde os astronautas viajarão em missões tripuladas.

Ela será uma missão “circunlunar”, ou seja, um voo “ao redor” da Lua, com longa duração. Manequins a bordo medirão os efeitos da radiação cósmica no corpo dos tripulantes, e sistemas de comunicação e suporte de vida serão testados.

As principais etapas da Artemis I. (Imagem: NASA)

Durante os seis dias em que orbitará a Lua, a cápsula Orion irá mais longe do que qualquer espaçonave tripulável já desenvolvida, chegando a mais de 64 mil km além do lado distante da Lua. Em outros momentos, passará a apenas 100 km da superfície Lunar.

Entre outros objetivos estão a demonstração de que o escudo térmico da Orion conseguirá proteger a espaçonave (e seus tripulantes) do intenso calor da reentrada na atmosfera, e dos procedimentos de recuperação da espaçonave e seus tripulantes após o pouso.

Quando e de onde a Artemis I vai ser lançada?

A Artemis I será lançada a partir da plataforma 39B do Kennedy Space Center (Centro Espacial Kennedy), na Flórida, construída na década de 1960 para lançamentos dos foguetes Saturno V no programa Apollo.

A próxima data de lançamento é no 5 de setembro, com uma janela de 1 hora e meia começando às 19h12. Duas tentativas anteriores, em 29 de agosto e 3 de setembro, foram canceladas devido a uma falha de resfriamento do motor e um vazamento de combustível, respectivamente.

A Artemis I será lançada a partir da plataforma 39B do Centro Espacial Kennedy, nos EUA. (Imagem: NASA)

Como assistir ao lançamento da Artemis I?

A NASA irá transmitir o lançamento da Artemis I ao vivo em seu canal no YouTube e suas redes sociais. A transmissão cobrirá desde os preparativos para o lançamento, como o abastecimento do foguete, até o início da injeção translunar e separação da espaçonave, que colocarão a Orion em um caminho para a Lua. Veja mais detalhes, incluindo datas e horários no artigo abaixo.

Qual foguete e nave serão usados?

O foguete Space Launch System (SLS) tem 111 metros de altura, 8,2 metros de diâmetro e é capaz de enviar até 27 toneladas de carga em uma trajetória rumo à Lua. Segundo a NASA ele é o maior e mais poderoso foguete já construído, com empuxo 15% maior do que o Saturno V que levou astronautas à Lua durante o programa Apollo.

Curiosamente, o SLS é baseado em componentes de outro programa já aposentado da NASA, os ônibus espaciais. O estágio central (o “foguete laranja”) é similar ao tanque externo de combustível dos ônibus espaciais, e usa quatro motores RS-25D que foram removidos deles depois que foram aposentados em 2011.

O par de propulsores auxiliares, movidos a combustível sólido, também é derivado dos que eram usados nos ônibus espaciais. No topo do foguete há algo novo: a espaçonave Orion (oficialmente “Orion Multi-Purpose Crew Vehicle”, ou “Veículo Tripulado Multi-propósito Orion”).

Espaçonave Orion sendo preparada para o lançamento. (Imagem: NASA)

Ela é composta de duas partes, uma cápsula chamada Crew Module (CM, Módulo da Tripulação) desenvolvida pela norte-americana Lockheed Martin, capaz de abrigar até seis astronautas em missões de até 21 dias pelo espaço profundo, e o European Service Module (ESM, Módulo Europeu de Serviço), desenvolvido na Europa pela Airbus.

Quanto tempo a Artemis I vai durar?

A resposta é “depende”. Se a Artemis I for lançada em 29 de agosto, a Orion deve voltar à Terra 42 dias depois, em 10 de outubro. Se o lançamento foi em 2 de setembro o retorno será 39 dias depois, em 11 de outubro. Por fim, um lançamento em 5 de setembro significa um retorno 42 dias depois, em 17 de outubro.

Onde a Artemis I vai pousar?

Ao contrário dos Russos e Chineses, que pousam suas cápsulas em regiões desérticas dentro de seus territórios, a NASA sempre preferiu pousos na água, tecnicamente chamados de Amerissagens.

Foi esta a estratégia usada nos programas Mercury, Gemini e Apollo, e também com as atuais missões tripuladas do Commercial Crew Program, que transportam astronautas ao espaço usando as espaçonaves Crew Dragon da SpaceX.

Com a Artemis I, não será diferente. Após quase 40 dias no espaço, o módulo da tripulação (CM) da Orion fará uma reentrada em nossa atmosfera, quando estará viajando a mais de 40 mil km/h. Durante este processo, o atrito com o ar vai desacelerar a cápsula para apenas 480 km/h, mas gerar temperaturas de quase 2.800 °C na parte externa.

A espaçonave Orion usará paraquedas para reduzir sua velocidade durante o pouso. ((magem: NASA)

Já dentro da atmosfera, o paraquedas principal será utilizado para desacelerar a espaçonave ainda mais, para apenas 160 km/h. Nesse momento, três outros paraquedas serão acionados para a fase final da descida, reduzindo a velocidade para apenas 32 km/h para um pouso “suave” no Oceano Pacífico, próximo ao litoral de San Diego na Califórnia.

Quais astronautas vão participar da Artemis I?

A Artemis I será uma missão não-tripulada, ou seja, não teremos nenhum humano a bordo. Mas isso não significa que ela estará “vazia”: em um dos assentos estará o “Capitão Moonikin Campos”, um boneco equipado com instrumentos para medir os efeitos da aceleração, radiação e vibração no corpo humano.

A Agência Espacial Europeia (ESA) também estará enviando dois manequins, mais especificamente dois torsos femininos apelidados de Helga e Zohar, desenvolvidos pela agência espacial alemã (DLR).

Moonikin Campos, um dos "tripulantes" da Artemis I. (Imagem: NASA)

Um deles estará vestindo um traje projetado para proteger o corpo feminino dos efeitos da radiação no espaço, enquanto o outro estará desprotegido. Assim, será possível medir a eficiência do traje.

O que estará a bordo da Artemis I?

Além dos “tripulantes” que já mencionamos, teremos alguns mascotes: a NASA enviará um boneco do Snoopy, personagem que há décadas é associada com os programas da agência. Durante o programa Apollo, as “toucas” que os astronautas usavam debaixo de seus capacetes eram chamadas de “Snoopy Caps” (toucas do Snoopy). Além disso, o módulo lunar da Apollo 10 também foi batizado em homenagem ao simpático Beagle.

Já a agência espacial europeia estará enviando Shaun, o Carneiro, personagem dos desenhos da Aardman Animation. A novidade foi anunciada por David Parker, diretor de Exploração Humana e Robótica na ESA.

Shaun, o Carneiro, estará à bordo da cápsula Orion durante a Artemis I. (Imagem: NASA)

“Este é um momento emocionante para Shaun e para nós, na ESA”, comemorou ele, em um comunicado. “Estamos muito felizes por ele ser selecionado para a missão, e entendemos que, embora seja um pequeno passo para o homem, é um grande salto para os carneiros” brincou, em referência à célebre frase dita por Neil Armstrong ao caminhar na Lua, durante a missão Apollo 11.

Além disso, o “Kit de Voo Oficial” (OFK, Official Flight Kit) da Artemis I incluirá quase 10 mil itens, de microchip com nomes do público e de membros do programa a emblemas, bandeiras e outras lembrancinhas que mais tarde serão distribuídas na Terra.

Como saber se meu nome está a bordo da Artemis I?

Durante um tempo a NASA manteve um site onde os internautas poderiam registrar seus nomes e receber um “bilhete de embarque” para a Artemis I. O período de registro já acabou, mas ainda é possível recuperar seu bilhete, caso você não tenha guardado uma cópia.

Para isso, basta visitar o site da NASA e informar seu nome, sobrenome e o PIN (senha) que criou durante o registro. Se tudo der certo, sua passagem será mostrada na tela. Ela se parece com essa abaixo:

Um exemplo de um "bilhete de embarque" de quem enviou seu nome a bordo da Artemis I. (Imagem: Reprodução)

Quais serão as missões seguintes do programa Artemis?

Após a Artemis I teremos uma pausa de quase dois anos até maio de 2024, quando a NASA deve lançar a Artemis II. Esta será a primeira missão tripulada do programa, com três astronautas dos Estados Unidos e um canadense a bordo.

Mas eles não pousarão na Lua: esta também será uma viagem circunlunar (“ao redor da Lua”), porém usando uma trajetória diferente da Artemis I e com duração menor, de apenas 10 dias.

O primeiro pouso na Lua em mais de 50 anos só deve acontecer na Artemis III, que está planejada para 2025 mas pode atrasar. Até agora, pelo menos oito missões no programa Artemis estão planejadas.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.