Review Midea ConnectLaser M7 | Robô aspirador inteligente de verdade

Por Felipe Junqueira | Editado por Léo Müller | 06 de Setembro de 2022 às 19h16

clique para compartilhar

Link copiado!

Limpar a casa com um simples comando parece coisa do futuro. Neste sentido, o ConnectLaser M7 é um robô aspirador que vai lhe fazer sentir alguns anos à frente do nosso tempo.

O dispositivo da Midea pode ser controlar por aplicativo ou com comandos de voz para Alexa e Google. Já pensou fazer a faxina com apenas um “limpe a casa”? Bom, não chega a tanto, mas já está perto.

Eu testei o robô aspirador ConnectLaser M7 e conferi se entrega mesmo tudo o que a fabricante promete. Veja o que eu achei nesta análise.

Preço do Midea ConnectLaser M7

Prós

  • Boa sucção
  • Reservatório de sujeira e água separados
  • Programação via app
  • Suporte a Alexa e Google

Contras

  • Faltam modos de limpeza mais específicos
  • Instruções de conexão confusas

Design e especificações

  • Tamanho: 35 x 35 x 9,1 cm;
  • Peso (bruto): 5,5 kg.
  • Potência: 55 W;
  • Capacidade total do coletor de pó: 0,43 L;
  • Reservatório de água: 0,2 L;
  • Bateria: até 160 minutos.

O Midea ConnectLaser M7 é pouco diferente de outros aspiradores robô do mercado. Trata-se de um dispositivo com formato redondo, com diâmetro de aproximadamente 35 cm e 9,1 cm de altura.

A diferença visual importante do produto é a presença de um sensor a laser acima do restante de seu corpo. Esse sensor fica na parte frontal, um pouco afastado da borda. E tem o botão ligar/pausa do lado direito e o de retornar à base, à esquerda.

A maior parte desta tampa superior é móvel, e se abre para dar acesso ao coletor de pó e também aos botões Wi-Fi e reset. O reservatório de água, para ajudar na passagem do pano, fica na parte traseira. O pano é removível para lavagem após o uso.

Como vários outros robôs-aspiradores, o ConnectLaser M7 tem um sistema para evitar batidas. A parte frontal é uma placa à parte, com molas que ajudam o dispositivo a reconhecer paredes e obstáculos em seu caminho.

Na parte de baixo, você encontra o sistema de aspiração, que inclui escovas rotatórias nos dois lados, além de uma centralizada. As rodas traseiras conseguem se levantar consideravelmente para permitir acesso a áreas mais elevadas, como carpetes e pequenos degraus (até 2 cm).

A construção do aspirador robô ConnectLaser M7 é majoritariamente de plástico, com metais em algumas áreas, especialmente internas. O coletor de pó possui um filtro lavável, e o conjunto inclui um filtro extra para substituir ou usar quando o outro está secando.

A base de recarga é compacta, bem menor do que outras bases de aspiradores robô que eu já vi. O fio tem um bom tamanho.

Usabilidade e funcionamento

A caixa inclui o aspirador robô, escovas giratórias esquerda e direita, base de carregamento e manuais. Nada de controle remoto, já que todos os comandos são feitos pelo aplicativo MSmartHome.

O ConnectLaser M7 cria um mapa da sua casa na primeira limpeza, e consegue reconhecer locais pelos quais já passou e evitá-los. E também permite que você limpe uma área específica, em vez de viajar por toda a casa.

É possível agendar horários de limpeza, além de criar áreas bloqueadas para o aspirador robô não acessar. Ou seja, não precisa colocar bloqueios para limpar um local específico, basta bloquear todo o restante e evitar que ele se enrosque em fios não organizados para a limpeza.

As instruções de conexão do app com a rede Wi-Fi são um pouco confusas. O texto fala para segurar o botão Wi-Fi por 3 segundos, mas não consegui fazer funcionar assim. Só deu certo quando eu apertei e segurei o botão até a conexão ser feita com sucesso.

Vários níveis de limpeza, mas faltam modos específicos

São quatro níveis de potência de sucção: silenciosa, suave, normal e forte. O fluxo de água também tem quatro opções: limpeza a seco, baixo, médio e alto. Há ainda um modo tapete, para remoção da sujeira com mais potência.

Ou seja, se você fizer uma conta com todas as possibilidades, há uma boa quantidade de modos de limpeza. Mas senti falta de modos mais específicos, como a limpeza de cantos. Mas falo sobre isso Mais para a frente.

Eu testei o robô aspirador da Midea em uma área de aproximadamente 17 m², com alguns bloqueios para ele não “escapar” para outros cômodos. Não tirei móveis, e deixei até mesmo as cadeiras de uma mesa no lugar para ver como ele mapearia tudo.

Pelo app, eu entendi que ele considerou o sofá, por exemplo, como área inacessível. O que não deixa de ser verdade, mas há uma varanda fechada com porta de vidro que ele conseguiu ler como área a ser limpa, apesar de não ter conseguido chegar.

Ou seja, se o sensor dele não vê um obstáculo claro, ele considera área acessível. O sofá não fica colado ao chão, mas é bem mais baixo do que os sensores, então foi interpretado como parede.

Você pode editar o mapa pelo aplicativo, mas só para dividir ou juntar áreas que ele leu como separadas. Não é possível incluir ou remover obstáculos.

Conectividade com Google e Alexa

O ConnectLaser M7 pode ser incluído no app Google Home e na Alexa para alguns controles de voz. Eu consegui iniciar a limpeza de casa com um “ei, Google, comece a limpar”. Pelo app, só dá para tocar no ícone do aspirador para começar ou pausar a limpeza.

Isso é um bônus bem interessante. Mas não acho que seja possível desinstalar o app do celular, já que todos os outros controles são feitos exclusivamente pelo MSmartHome.

Desempenho e bateria

Eu fiz uma limpeza com a potência de sucção suave e outras com a potência normal. Em ambas, ele foi capaz de puxar pelos dos gatos aqui de casa e quase toda a poeira do chão. No normal, ele também pôde puxar grãos de ração que eu mesmo coloquei em seu caminho para testar.

Foram três limpezas em uma área total de 52 m². Cada uma durou entre 21 e 23 minutos. O coletor de pó ficou cheio, mas não chegou a lotar, daria para passar mais uma vez, provavelmente. O reservatório de água, com fluxo baixo em duas vezes, não esvaziou.

Claro que tudo vai depender da quantidade de sujeira no local a ser limpo. Não é apenas a área que vai determinar. Aqui em casa, são três gatos, dos quais dois soltam bastante pelos. E, de fato, a maioria da sujeira eram os cabelos soltos dos bichanos.

A bateria tem promessa de durar até 160 horas, mas não consegui testar se chega a tanto. Nos 20 minutos de uso, não chegou a descarregar muito. O app não mostra a porcentagem, apenas uma pilha com cinco barrinhas. Apenas uma sumiu durante as limpezas.

Eu arrisco dizer que, mesmo que não chegue às 160 horas de autonomia, o robô aspirador tem bateria suficiente para limpar uma área considerável. E acredito que antes de a carga acabar, será necessário esvaziar o coletor de pó.

Lembra da questão da ausência de modos mais específicos de limpeza? Pois bem, um problema que notei no ConnectLaser M7 é que ele não consegue alcançar cantos. Cheguei até mesmo a registrar um ponto da sala que ele não conseguiu limpar direito em duas passagens.

No mais, ele faz uma boa limpeza, mas é quase superficial. Móveis muito baixos acumulam ainda mais poeira que os mais altos, e é um lugar que o aspirador robô não consegue alcançar. Eu não dispensaria uma faxina pesada semanal ou, no mínimo, quinzenal.

Concorrentes diretos

Existem duas opções mais baratas que o ConnectLaser M7, sendo uma com suporte a Alexa e Google, e outra sem. A primeira é o Positivo Smart Robô Aspirador Wi-Fi Plus, e a outra é o Samsung POWERbot-E.

O modelo da Samsung já foi analisado aqui no Canaltech e é uma opção excelente para quem não faz questão da compatibilidade com assistentes de voz. Seu preço fica em torno de R$ 2.000, e muitas vezes é encontrado até abaixo deste valor.

Já o da Positivo custa R$ 1.500 no site da própria fabricante, ou seja, metade do que você provavelmente vai pagar no ConnectLaser M7. Mas tem um problema sério: a limpeza e a passagem de pano são feitas com um único tanque, que apesar de ser grande, pode não ser ideal.

Aspirador robô Midea ConnectLaser M7: vale a pena?

O ConnectLaser M7, da Midea, superou as minhas expectativas. Minha experiência anterior com aspirador robô foi com modelos sem Wi-Fi, portanto, não havia possibilidade de checar o mapa criado para a limpeza — se é que havia algum.

Ter um tanque para a coleta do pó e outro para a água a ser utilizada na passagem do pano é um ponto muito positivo no produto. E ter compatibilidade com assistentes de voz é um bônus que eu considero bacana.

Porém, senti falta de modos de limpeza mais específicos, como uma limpeza de cantos. Não dá para confiar apenas no robô aspirador para ter o chão da sua casa sempre limpa, a faxina ocasional ainda é essencial. Não dá nem para limpar os móveis e deixar o restante para o robô.

Outra questão é o preço, que achei um pouco proibitivo — cerca de R$ 4 mil. Acredito que o diferencial de Google e Alexa não justifica o investimento mais alto do que os cerca de R$ 2 mil no POWERbot-E, da Samsung, que é tão bom quanto o ConnectLaser M7.